Marcelo Katsuki

Comes & Bebes

 

Bolly, darling!

Bolly, darling!


[Eddy & Pats: 'manguaceiras']


Seriados sempre lançam 'modinhas'. Que o diga a Carrie de Sex & the City com seus Manolos e 'Cosmos' diários! Impossível pensar na bebida sem se lembrar da personagem. Outra bebida que aprendi a gostar com o seriado foi o "Dirty Martini": o clássico drinque 'sujo' por um fio da água da azeitona. Esquisito? Já teve barman me olhando torto diante do pedido, mas depois até aprovaram. O seriado está sendo reprisado no Multishow e no Canal 21.

Outra que já nasceu com uma taça colada na mão é a Karen Walker de Will & Grace. Apesar do sobrenome de uísque, ela tá lá sempre com seu Martini em punho. Esse é meu drinque favorito, então assistir ao seriado é quase um convite para acompanhar Karen dando umas 'bebericadas'. "W&G" passa no canal Sony.


[Carrie, Karen e seus Martinis]


Mas o seriado mais hilário (para mim) era o Absolutely Fabulous. Edina e Patsy parecem uma versão "melhor idade" de Carrie e Samantha de "Sex", com suas preocupações sexuais e fashionistas, mas já seqüeladas pelo consumo excessivo de álcool e drogas. A máxima de Patsy é "Bolly, darling!" em referência ao champanhe Bollinger, assim como "Stolly" (da vodca Stolichnaya). E o máximo da loucura foi um drinque com as duas bebidas: "Stolly-Bolly", para aqueles dias de jogação 'fuerte' da personagem. Com um pouco de suco de abacaxi virava um "Flirtini". O seriado está sendo reprisado no canal Film&Arts e continua divertido.


Conheça os drinques
• O Cosmopolitan da Carrie? Tá aqui!
• Martini e um "Virgin Martini" da Karen. Se joga!
• Patsy Stone: Stolly-Bolly, darling!
• Bônus: o Flirtini servido no 'churrasco na laje' que encerra a terceira temporada de "Sex".

Lembrou mais algum personagem beberrão? Grite nos comentários!

Escrito por Marcelo Katsuki às 23h23

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Mixer | PermalinkPermalink #

O bolo de abóbora do Halloween

Armanda, demorei mas aqui vai a receita do bolo de abóbora que você pediu. Espero que seja essa. A receita foi enviada por uma chef super special: Clau Mathias, minha amiga que vive em Nova York há 8 anos e estuda no "Institute of Integrative Nutrition". Antes, Clau passou 4 anos em Londres, já trabalhou em vários 'restôs' e se tornou master em Reiki, especializando-se em reeducação alimentar com aplicação energética. Com a palavra, Clau.

"Diferentemente de Londres, o Halloween aqui em NYC é super divertido. As pessoas se fantasiam quando acordam para ir trabalhar, então a cidade fica inteirinha colorida e muito engraçada, com monstros de gravata e maleta de executivo, grupos de palhaços de patins, fadas madrinhas de bicicleta. Os restaurantes ficam cheios de personagens de 'cartoon' e de filmes e livros. E assim vai até a noite, quando as festas acontecem por todos os bares e clubes da cidade. O drink mais pedido nessa festa e' o "Champanhe com Pomegrade Juice" (suco de romã). E o bolo de abóbora, que apresento a seguir, é uma tradição."



Muffin de abóbora com cobertura de chocolate

Ingredientes
- 2 copos de água
- 3/4 copo de cerejas secas
- 2 copos de farinha
- 1 colher de chá de fermento
- 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio
- 1/2 colher de chá de canela
- 1/2 colher de chá de cravo
- 1/4 colher de chá de noz moscada
- 1/4 colher de chá de sal
- 2 ovos grandes
- 1/2 copo de açúcar mascavo
- 1/2 copo de leite
- 1 copo de purê de abóbora
- 4 colher de chá de manteiga sem sal
- 1/2 colher de chá de essência de baunilha
- 1 1/4 copo de chocolate picado
- 1 copo de raspas finas de chocolate
- 1 copo de chocolate branco derretido

Preparo
Pré-aqueca o forno a 250C e prepare 12 forminhas com papel manteiga. Em uma panela aqueça água até ferver. Coloque as cerejas em uma vasilha e cubra com a agua quente; deixe de 5 a 10 minutos até se abrirem, separe em uma folha de papel absorvente para secar.

Coloque o fermento, bicarbonato, farinha, canela, cravos, e sal em uma vasilha e misture. Em uma vasilha grande coloque os ovos, açúcar, leite, abóbora, manteiga derretida e baunilha e misture.

Junte os dois em uma vasilha e misture com cuidado. Divida as cerejas igualmente nas forminhas juntamente com a massa. Asse por 22 a 25 minutos. Tire do forno, deixe esfriar e remova das forminhas.

Em uma panela em banho maria aqueça o chocolate picado até derreter; se quiser pode colocar um pouquinho de creme de leite. Quando virar uma calda deixe esfriar por 2 minutos e coloque sobre cada muffin.

Faça a mesma coisa com o chocolate branco, mas depois de derretido espalhe uma camada bem fina em uma folha de papel manteiga passe as pontas de um garfo para que faça fios coloque no congelador por 10 minutos e enfeite junto com as raspas finas de chocolate. Decore com bichinhos de plástico, como aranhas e morcegos.

Escrito por Marcelo Katsuki às 22h44

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bem-vindo ao Palácio do Shah

Bem-vindo ao Palácio do Shah



Em um simpático sobrado ali na Mourato Coelho, Mirelli e Fabiana criaram seu pequeno 'paraíso persa' para servir especialidades da cozinha iraniana. O Palácio do Shah* existe há pouco mais de oito meses e oferece nos finais de semana um "Jantar Persa" (precisa fazer reserva) com tudo o que o "rei" tem direito: boa comida e diversão. Casadas com iranianos, as sócias criaram ambientes decorados com peças originais: tapetes rústicos (Kilim), vasos, taças, tudo disponível para venda.



O ambiente é agradável e ao adentrar a casa, sente-se um suave perfume de especiarias vindo da cozinha que aguça os sentidos. A preocupação ali é criar uma atmosfera de bem-estar e integração para você se sentir em casa. A salinha em que ficamos era circundada por mesinhas baixas e almofadas, e as pessoas ao longo da noite iam se acomodando de forma bastante relaxada, bem 'avonts' como na sala de casa.



Comecei a noite provando o "Sabz" (que quer dizer "verde"), um perfumado drinque de Arak com licor de menta, hortelã e água com gás. Nem sou fã de Arak, mas me deixei levar pela cor intensa e os aromas doces e profundos da bebida. Bom começo.



De entrada tivemos uma suave e levemente adocicada pasta de berinjela (bem diferente do "babaganoush" árabe) e um refrescante iogurte com espinafre e pães sírios. Tudo muito leve mas de sabor peculiar.



O prato principal trazia frango com açafrão e carne com sete ervas, mas quem esperava sabores fortes ou picantes (como eu) teve uma surpresa. A comida iraniana é aromática mas não exagera nas especiarias. É tudo de uma delicadeza que desafia seu paladar a desvendar os aromas. O arroz vem salpicado de 'zeresh' (que lembra uma pedrinha de rubi), frutinha cítrica e adocicada que parece 'beliscar' sua língua enquanto você mastiga.



Fechando a noite, sorvete de pistache com açafrão e água de rosas. Hmmm, ainda guardo esse momento registrado na mente: sabor, aroma e textura numa breve colherada.

Apesar da aparente simplicidade, o preparo dos pratos é complexo e segue uma rotina diferente da nossa. O arroz é pré-cozido, escorrido, cozido depois com a panela forrada de pão e a crosta queimada que se forma no fundo é servida como uma 'especialidade'. Provei na cozinha e adorei: é bem crocante e tem um gostinho de 'tostado'. Outro costume é agregar iogurte ao arroz enquanto se come, o que confere contraste de sabor e textura a esse prato, que tem seu lugar de destaque à mesa persa.



A casa também abre durante a semana (sempre à tarde) para servir o "Kirmansha", composto por pães variados, patês, coalhadas, geléias, salgados, sorvete e doces acompanhados de chás, ao preço de R$ 20,00 por pessoa. Há ainda opções à la carte de salgados, lanches e sobremesas, além de bebidas.

A sucessão de pratos alternada com breves apresentações de dança, em meio ao ar incensado pelos aromas de maçã e menta do "ghelion" (narguilé), transporta você para um imaginário jardim das delícias. A música também é outro item que enriquece essa experiência, com sua sonoridade envolvente e misteriosa. Dá pena de deixar o "Palácio", mas é reconfortante saber que você pode viver tudo novamente numa próxima visita, que espero, seja em breve.

Palácio do Shah*
Rua Mourato Coelho, 575 - Pinheiros - S.Paulo
Tel: (11) 3815-9323
Jantar Persa: R$ 30,00 por pessoa

*Shah - palavra persa que significa "Rei"

Escrito por Marcelo Katsuki às 13h38

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Lugares | PermalinkPermalink #

Saudade do caju amigo?

Saudade do caju amigo?



Eu havia marcado um 'caju amigo' (na verdade vários) no Pandoro com o Paulo Afonso, meu amigo publicitário que trabalhava lá perto. Na época, ficamos chocados com a notícia do fechamento da casa. Depois veio o alívio ao saber que o lugar seria reaberto após uma reforma (o que, espero, não acabe com o charme do lugar); mas na época a notícia deu um susto nos fãs do drinque, que tem até uma confraria.

Quem não quiser esperar (como eu) pode agora matar a saudade do drinque no Bar Augusta (Rua Augusta, 3008 - Jardins - tel. 11-3082-6770). O chefe do bar Carlinhos recebe para uma temporada o barman Guilherme, pai do 'caju amigo' do Pandoro. Já fui lá ontem (com o Paulo, claro) e fizemos a 'festa do caju' em plena quinta. Acordei com sinos na cabeça... Provamos alguns pratos do cardápio, mas o único que mereceu elogios foi o sanduíche de pernil, magro e com uma vinagrete deliciosa. O cardápio tem várias opções mas merecia alguns ítens diferenciados, afinal fica num ponto privilegiadíssimo. Só o teto alaranjado (feito caju maduro) que me incomodou um pouco; um "branco acetinado" ali deixaria o local mais 'trendy'. Vixe, baixou o decorador!


[Guilherme e Carlinhos: drinque com 'segredo']


Caju Amigo

Ingredientes:
1 caju em compota
1 colher de chá de açúcar
2 doses de suco de caju
1 dose de vodca
2 gotas de um "segredo"
5 pedras de gelo

Preparo:
Monte num copo alto e mexa com uma colher bailarina. Beba com moderação, se possível.

Ah, achei essa receita na internet. Mas o Guilherme já disse que vai levar o tal "segredo" pro túmulo. Então seja criativo e dê o seu toque pessoal. O meu vai levar 2 gotas de "triple sec" (acho que deve combinar). E vou rebatizá-lo de "Caju Tomodachi*". 'Güenta...'

*Tomodachi - "amigo" em japonês.

Escrito por Marcelo Katsuki às 17h18

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Bebes | PermalinkPermalink #

Agenda pro finde

Atualizações ao longo do dia.



Continua o festival de "Robata" (espetinho japonês) no Hanadoki (Rua Prof. Artur Ramos, 395- Jd. Paulistano - Tel: 11-3815-2144). A casa contratou a Cida, famosa "robateira" da cidade para comandar a grelha. E deu tão certo que o festival deve entrar no cardápio fixo.

As sugestões são o "Festival de robata de carne", com 2 espetos de carne, 4 de legumes, 1 goham (arroz) e 1 missoshiru ao preço de R$ 40,00 e o "Festival de robata de peixe", com 2 espetos de frutos do mar, 1 vieira na concha, 4 espetos de legumes, 1 goham e 1 missoshiru por R$ 50,00. Os espetinhos também podem ser preparados com variações ao gosto do cliente.






Inaugura nesse sábado a primeira casa especializada em arroz doce da cidade. Êba!!! Eu era fã de carteirinha do arroz doce com calda de frutas vermelhas do extinto "Galeraki" (e que saudade da comidinha de lá!), mas nunca pensei numa casa só com arroz doce. Ousadia? Na verdade a casa vai oferecer também os famosos salgados do "Rancho da Empada" além de milkshakes, drinques de café e chás.

Outra novidade é que a Casa do Arroz Doce (Rua Horácio Lafer, 638 – Itaim Bibi - Tel:11-3078 6783) já abre com oito sabores além do arroz doce tradicional: coco, limão, laranja, morango, chocolate, café, capuccino e um inusitado "Arroz Doce da Prosperidade", com romã. Hmmm, isso tá me cheirando a patuá, hehe. Você ainda escolhe uma calda e uma cobertura granulada para completar o doce.




Jantar Enogastronômico

[Bacalhau Beneditine]


Nesse sábado, dia 28/10, o sommelier Roberto Paes da Vinícola Aurora conduzirá um jantar com harmonização de vinhos na Mamarana Cucina Italiana (Rua Pará, 196, Higienópolis - tel. 11-3661-8799).

O menu apresenta como entrada uma "Fritada de frutos do Mar", Bacalhau Beneditine como prato principal (um brandade com arroz e batata palha) e de sobremesa "Pêras ao Merlot com sorvete de baunilha". O preço é de R$ 69,20 por pessoa e inclui os vinhos que serão degustados com os pratos; reservas pelo telefone acima.

A Mamarana continua também com seu festival "Cozinha Itinerante" com pratos da cozinha judaica, além de cursos todas as semanas. Para ver a programação completa, clique aqui.

Escrito por Marcelo Katsuki às 23h56

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Um DJ na Sala São Paulo?

Um DJ na Sala São Paulo?



A Sala São Paulo faz parte de um complexo cultural muito legal no centro da cidade que aproveita a estrutura de uma antiga estação de trem (Estação Júlio Prestes) onde foi construída uma das mais belas salas de concerto do mundo, além de abrigar a sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo.



Ontem fui almoçar lá levado pelo meu amigo Marcio Vermelho, DJ de casas legais como a Lôca, D-Edge, Gloria e tantas outras. Mas que momento erudito foi esse, Mr. DJ? Bom, fomos à pé --fica a poucas quadras do jornal-- mas o calor e a situação meio deteriorada do entorno me deixaram um pouco apreensivo. Felizmente o lugar é bem guardado: policiais na praça, credenciamento rápido na entrada e já estávamos no amplo foyer da estação, onde fica o Café Sala São Paulo.



O alto pé-direito apoiado em colunas monumentais transforma qualquer 'arroz com feijão' num banquete. Mas nem precisava: o feijão estava ótimo, com sabor de alho fritinho e sem aquele gosto de louro ou bacon que predomina nos bufês. Mandiocas crocantes que desmanchavam na boca, purê de abóbora gratinado, couve refogada (era dia de feijoada), saladas e uma opção de acompanhamento que define o preço da refeição. Só o buffet custa R$ 10,00; com um crepe com opções de recheios vai para R$ 11,00 e com um grelhado/peixe, R$ 13,00. Era dia de moqueca, e o molho estava tão saboroso que quase dispensei o peixe. A porção é farta, quase não dá pra comer tudo.



A refeição informal acaba tomando contornos estimulantes se você se deixar levar pelo clima do local. Estudantes de música, garçons devidamente uniformizados, um teto lindamente trabalhado. Sem falar das cadeiras Zig-Zag do mestre do Neoplasticismo, Gerrit Rietveld, distribuídas pelo amplo salão, quase desapercebidas. Não muito confortáveis para se sentar, confesso, mas uma experiência de 'estilo', hehe. Uma dica: falta música ambiente (nem preciso falar qual, né?), daí o cardápio estará completo.

Escrito por Marcelo Katsuki às 20h17

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Lugares | PermalinkPermalink #

Programão pro sábado

Programa gourmet pro sabadão


[Picadinho de carne suína]


O que pode ser melhor -pra quem gosta de comida- do que uma visita ao Mercado Municipal num sábado de folga? É aproveitar para conhecer o novo espaço gourmet da GE no mezanino, onde acontecerão aulas gratuitas com os alunos da pós graduação da Hotec. Pede-se apenas para levar 1 quilo de alimento não perecível que será doado para a Casa Lar Novo Mundo, entidade que cuida de crianças no Jardim Lauzane.

Além das aulas no moderno e equipado espaço, os participantes poderão degustar os pratos feitos e trocar dicas e receitas com os alunos e professores. O evento é organizado pelo professor e chef de cozinha Carlos Ribeiro.

As inscrições devem ser feitas pelo telefone (11) 3093-2737 com Cristina da ABIPECS até as 17horas de sexta-feira, dia 27. As vagas são limitadas a 30 pessoas para cada aula. Vejam a programação:

10:00-11:00 Norte – Cozido de Carne Suína na Maniçoba
11:30-12:30 Nordeste – Arrumadinho de Carne Suína
13:00-14:00 Sudeste – Virado à Paulista
14:30- 15:30 Centro-Oeste – Empadão Goiano
16:00-17:00 Sul - Picadinho e Massa

Serviço:
Localização do Mercado Municipal:
Rua da Cantareira, nº 306 - Parque Dom Pedro II.

Escrito por Marcelo Katsuki às 01h07

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Evento | PermalinkPermalink #

O melhor da cidade

A noite de ontem da "Prazeres da Mesa Ao Vivo" foi dedicada aos melhores restaurantes da cidade. Uma bela amostragem com brasileiros, italianos, asiáticos, contemporâneos, espanhóis, churrascos, doces, salgados, verdadeiro delírio gastronômico. Dá uma olhada.


[O lounge, sempre concorrido, com uma excelente amostra dos melhores vinhos]



[O delicado bobó do Pitanga, com camarão crocante. Pra comer de joelhos.]



[A concorrida paella do Toro. Não deu pra quem quis...]



[Capim Santo: uma amostragem criativa e saborosa. Até o pequeno croquete de pupunha era maravilhoso. Mas tinha ainda o rolinho de pato, o tartar de atum, um inusitado brulée de jaca, tudo saboroso!]



[Os doces e a comida típica do Compadre. De encher os olhos!]



[O Thai Gardens arrasou. A cozinheira montava na hora um mix com arroz de jasmin, um curry picante e delicioso, satays e dim sum. E o cuidado com a decoração? Comida com cenografia, sensacional!]



[A movimentada cozinha -chefs para todos os lados!]



[A irrepreensível cozinha do Taizan, que eleva a comida chinesa feita em São Paulo a uma categoria superior]



[Os deliciosos rolinhos do East]



[A generosa mesa do Viena. E a mesma qualidade de sempre -salgadinhos fritos na hora e brigadeiros no copinho disputadíssimos! Comi essa empada gigante aí. Inteirinha.]



[A deliciosa Fideuá do La Coruña. Não deu pra resistir ao "perfume de mar"...]



[As massas caprichadas do Spadaccino. Vi um desavisado comendo até o ravióli cru da decoração e elogiando. Vai pro trono ou não vai?]



[A Mamarana Cucina Italiana apresentou uma degustação de saborosos risotos na colher e um divertido mini-nhoque no copo com porpetinhas. Mesmo no final do trajeto -e pesando três quilos a mais- não deu para resistir. Forza!!!]



[O Asia 70 veio com sushis de grande impacto visual. O filé com tarê de balsâmico estava divino. Fechei a rota dos prazeres da mesa ali. Dá pra chamar a ambulância, por favor?]

Escrito por Marcelo Katsuki às 01h02

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Do croque monsieur ao hambúrguer

Para terminar o dia "à francesa" de ontem, resolvi conhecer um bistrô que abriu recentemente. O lugar tem ótima ambientação, luz adequada, bom cardápio. Mas o atendimento... A má vontade do garçom (além do visível mau humor) e seu total desconhecimento do cardápio me botaram pra fora do lugar em poucos minutos. Sem falar que nem havia mais "croque monsieur", a estrela do enxuto cardápio noturno. Quero voltar lá para conhecer a comida, mas espero ter mais sorte.



Na ânsia de mastigar algum bocado, o jeito foi correr pra Lanchonete da Cidade (Alameda Tietê, 110 - Jd. Paulista - Tel: 11-3086-3399) onde fomos recebidos com simpatia, apesar da casa já estar fechando as portas. Comi minhas batatas rústicas favoritas (com direito ao alho e alecrim), tomei mais uma tacinha de espumante (não me falem de harmonização agora, por favor) e finalizei com um hambúrguer com queijo camembert em pão francês especial. Ou, o "Hambúrguer Leblon" em pão "Bossa Nova". Tem combinação melhor? E assim meu dia 'francês' acabou em bom carioquês: "maneeeiro!"

Escrito por Marcelo Katsuki às 12h18

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O picolé de melão do Sophia Bistrô



Ontem na festa de uma ano do Sophia, entre tacinhas de 'champa' e drinques de vodca, a grande estrela foi o sorvete Melona. Trata-se de um picolé de melão de cor verde piscina feito na Coréia que leva adictos à Liberdade só para comprá-lo. Ele é perfumado, tem uma textura macia quase aveludada e quem prova vira fã. Aquilo só podia ser uma 'loucurinha' da Fabiana Cesana, nossa chef 'quase japonesa'.



No som, Liana Padilha e Camila Kfouri: uma abriu a noite animando a galera; a outra botou o povo pra dançar ali mesmo no corredor. Nas bandejas, 'casuelitas' com algo similar a um aligot e foie gras. Nos salões, além da clientela descolada do lugar, muitos chefs e sommeliers. E a presença animada da outra 'aniversariante', Simone Monte, num brilhante modelo dourado que parou tudo!

Escrito por Marcelo Katsuki às 12h18

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sabores da França

Sabores da França



Foi lançada ontem na "Prazeres ao Vivo" e hoje, em almoço na Brasserie Erick Jacquin, a revista "Sabores da França", da Maison de la France. Editada por Alain Rousseau e Erika Balbino, traz um passeio pela França gourmande com ótimas matérias.

Logo de cara, abre com uma entrevista reveladora com ninguém menos que Alain Ducasse, o mais bem-sucedido chef de cozinha da França. E fecha a edição com uma matéria onde brilham as "chefas" francesas. Diferentemente do Brasil, lá as chefs não têm tanta visibilidade, o que começa a mudar agora.

O lançamento de hoje ainda foi acompanhado por uma degustação de 12 vinhos da região da Languedoc Roussillon, harmonizados com um menu do mestre Jacquin que incluía Raviólis de Langoustines, Magret de Canard Rôti e mais 3 pratos entre queijos e sobremesas. A conversa também estava ótima (adorei viu Erika, Dori e Fernando!), mas tive que partir logo após o segundo prato (e 4 vinhos degustados), ou vocês pensam que minha vida é moleza? Vinte minutos depois já estava "ralando" na redação enquanto pensava no Fondant de chocolate que seria harmonizado com um Banyuls 2004. Ai, ai...

Ah, o melhor de tudo: a revista é distribuida gratuitamente. Mesmo para pessoas de outras cidades, basta enviar um e-mail para info.br@franceguide.com. Há um endereço na internet (http://www.franceguide.com) onde ela pode ser baixada, só não consegui localizar o botão. Se alguém achar, 'grite' nos comentários!


[Magret de canard com maçã caramelizada. Pro meu chefe é motivo de justa causa!]

Escrito por Marcelo Katsuki às 16h51

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Prateleira | PermalinkPermalink #

Os banqueteiros da Prazeres da Mesa ao vivo

Os banqueteiros da Prazeres da Mesa ao vivo

O evento "Prazeres da Mesa Ao Vivo" começou ontem com a noite dos banqueteiros e muitos convidados, que esperaram mais de uma hora na fila para poder degustar os pratos nos estandes montados na cozinha dois do Senac Santo Amaro. Quem suportou o martírio de ficar tanto tempo em pé - atenuado por algumas taças de vinho - não se arrependeu: de entradinhas incríveis a pratos super elaborados, com direito aos docinhos da Viandier na saída, o percurso lembrava mais uma maratona gastronômica.

O lounge montado no espaço Senac, visivelmente mais cheio que no ano passado, era uma alternativa agradável: rodeado por estandes de queijos, carnes e bebidas, era o local ideal para descansar depois de se esbaldar com as comidinhas. Ou para comer um pouco mais. Hoje é o dia dos "bares", então separe o Engov.

A seguir, uma seleção de fotos que falam por si só. Bom apetite!



[O concorrido lounge com árvores e pufes para o descanso pós-maratona]



[Sarapatel de cordeiro, arrumadinho e vatapá do Buffet de Tereza Paim]



[A comida brasileiríssima da "festeira" Benê]



[o estilo zen do buffet de Marcela Maragliano]



[Varenikes e Gefilt Fish aperitivo do Buffet Matriz]



[Os canapés criativos do chef Carlos Ribeiro, que incluíam um delicioso muffin de Amarulla]



[As saborosas criações da banqueteira Vicky Constantinesco]



[A mesa do In Città e suas laranjas açucaradas]



[Os doces da Viandier, parando tudo na saída da cozinha. Eu, que nem sou fã de doce, dei vexame!]



[Renato Moura, Sadako Sigemato e os chefs Leila Pires e Edhuardo Russo]



[Mariella Lazaretti e os chefs Carlos Ribeiro e Fabiana Cesana, que dará uma aula aberta hoje sobre a "desconstrução do boeuf bourguingnon" às 14h30]


Escrito por Marcelo Katsuki às 00h14

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Evento | PermalinkPermalink #

Revelando novos talentos

Revelando novos talentos


[Os patrocinadores do concurso e o chef Luiz Emanuel com os vencedores]


Na sexta-feira passada aconteceu a entrega do "2º Prêmio Chef Revelação" da revista Gula em parceria com a Brastemp no Hotel Emiliano. O prêmio aponta novos talentos da cena gastronômica nacional e abrange três categorias: estudantes, recém-formados e amadores, sendo um estímulo para os novos profissionais da área. O mestre de cerimônias foi o talentoso e também premiado chef Luiz Emanuel do "Allez, Allez!".

Além dos certificados e prêmios em eletrodomésticos, os finalistas (selecionados entre mais de mil inscritos) terão suas receitas publicadas na revista. E pelo que pude ouvir de alguns, são bem interessantes.


[Os 'vice-campeões' André Giovani e Julio Jusson: "No ano que vem a gente leva!"]


Ah, não posso deixar de comentar o serviço impecável durante o evento. Os "comes" também arrasaram, com "medalhões de vieiras grelhadas" , "trouxinhas de salmão" e "cougéres recheados", tudo divino (ai minha dieta).

Escrito por Marcelo Katsuki às 23h42

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Evento | PermalinkPermalink #

Praça de alimentação também é cultura



Ontem fiquei preso por uma hora num hipermercado enquanto aguardava a instalação de um equipamento no carro. Na falta do que fazer, fui para a praça de alimentação e fiquei tomando coca light e comendo pururuca num fast food de comida mineira. Meu café da manhã, ai ai...

No papel que forrava a bandeja, uma selação de dicas. Lá vai:

- O frango frito fica dourado e sequinho se você colocar uma colher de sopa de maisena no óleo bem quente.
- Tempere as batatas para salada enquanto mornas, pois frias não absorvem o tempero.
- Para evitar que o bacon enrole, mergulhe em água fria antes de fritar.
- Adicionando gotas de limão na água do arroz os grãos ficam mais claros e soltinhos.
- Para o assado ficar mais dourado, pincele molho de soja (shoyu) antes de levar ao forno.
- Para que as carnes assadas não encolham, experimente fervê-las em água sem sal por dois minutos antes de levar ao forno.
- Para obter omeletes mais leves e fofas, adicione uma pitada de maisena antes de bater.
- Para um bife ou peixe à milanesa mais sequinho, empane usando apenas a clara. Bom, isso minha mãe faz e fica bom mesmo.

Escrito por Marcelo Katsuki às 22h35

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A melhor safra de vinhos nacionais

A melhor safra de vinhos nacionais

A safra de 2005 começa a chegar ao mercado sendo considerada a melhor já produzida no país. Tudo por conta do clima seco do ano passado, desastre para a agricultura em geral mas muito favorável para a produção de uvas. Segundo os produtores, "a amplitude térmica foi perfeita para produzir uvas sadias": muito sol durante o dia e temperatura fria ou amena à noite.



Os vinhos nacionais deram um salto significativo em qualidade nos últimos 10 anos, mas ainda há quem torça o nariz. Quem sabe essa nova safra venha mudar um pouco essa história?

Escrito por Marcelo Katsuki às 18h42

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Bebes | PermalinkPermalink #

A bruxa tá solta!



O Restaurante Cantaloup (R. Manoel Guedes, 474, Itaim - Tel: 11-3078-3445) vai celebrar o dia das bruxas com um menu onde as abóboras serão as 'estrelas', em criações do chef Renato Carioni. O menu estará disponível de 25 a 31 de outubro sempre no jantar. Um dos destaque é a "Mousseline de abóbora com camarões e emulsão trufada" (foto). Mas há outras opções como a "Torta de abóbora com presunto cru" (R$ 20,00) e o "Talharim com creme de abórora e molho de taleggio" (R$ 28,00).






Já no Obá (R. Melo Alves, 205, Jardins - Tel: 11-3086-4774) de 26 de outubro a 5 de novembro será comemorado o "Día de los Muertos", festiva data do calendário mexicano. No menu, destaque para a entrada "Vuelve a la Vida" (R$ 19,50), um refrescante coquetel de frutos do mar e para a "Cochinita Pibil" (foto - R$ 29,90) com lombo de porco desfiado, temperado ao estilo Yucatán, servido com tortillas, frijoles, escabeche de cebola, e uma potente pimenta que mata vivos e revive mortos. Coragem!

Escrito por Marcelo Katsuki às 18h17

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Passagem para a Índia

Passagem para a Índia



Você pode não sentir o impacto que Judy Davis enfrentou no longo filme de David Lean, mas com certeza notará um cuidado especial na ambientação indiana do simpático Gopala Prasada (R. Antonio Carlos, 413 e 429 - Cerqueira César - Tel. 11-3283.3867 / 3289-1911). Depois de vencer corredores e escadas perfumados por suave incenso e decorados com pétalas de rosas, sentar-se na acolhedora salinha com almofadas e mesinhas individuais no piso superior pode liberar você um pouco do estresse do dia a dia. Mas vá cedo; perto das 13h o local chega a receber filas e dependendo dos seus "companheiros de sala" seu momento zen pode ir pro espaço.



A cozinha do "Gopala" é baseada na culinária indiana lactovegetariana (que permite o leite e seus derivados) e segue as normas do Hare Krishna, onde reinam os cozidos de grãos com "masalas", chamados de dahl. De segunda a sábado há um cardápio diário com duas opções de menu. Fui hoje com o Jo e optamos pelo menu 1: arroz "puspanna" (integral com uva passa e especiarias), "dahl" de ervilha com gengibre (saboroso, mas ainda prefiro com grão-de-bico), crocantes "pakôras" (legume empanado semelhante ao tempurá japonês) e surpreendentes legumes gratinados, que impregnaram o paladar com sua envolvente cremosidade e leve toque de leite de côco e especiarias, simples na aparência mas marcante no sabor. O menu, a R$ 14,00 incluía ainda suco de maracujá, salada de folhas com manga e pudim de iogurte com côco.

Eu sempre ia ao "Gopala" quando queria espairecer um pouco, pois morava a duas quadras de lá. Geralmente ia sozinho pois meus amigos, sabe-se lá por que, não curtem muito restaurantes vegetarianos e achavam tudo meio "perfumado". A limonada com rosas era mesmo, mas aprendi a gostar. Hoje, ao voltar meses depois, descobri que abriram um segundo restaurante quase ao lado e até uma lojinha onde brilham talheres, panelas e objetos indianos. Mas apesar da segunda casa as filas continuam, o que me faz crer que a busca por uma alimentação saudável e natural continua em alta. Sem falar do ótimo preço.






Dahl (Sopa de grão-de-bico)

Para conhecer um pouco sobre as "masalas", clique aqui e visite o site do meu xará, Marcelo Nastari, que tem dicas e ótimas receitas.

Ingredientes
1 1/2 litro de água
500 gramas de grão-de-bico
2 colheres de sopa de manteiga
2 folhas de louro
1 pimentão picado
1/2 couve-flor em florzinhas
2 pimentas vermelhas (dedo-de-moça)
2 colheres de chá de Garam Masala
(ou um mix de curry, cominho e canela)
1 pedaço de gengibre ralado
Coentro ou salsinha
Sal a gosto

Modo de Preparo

Em uma panela grande cozinhe o grão-de-bico com o louro e a manteiga, até os grãos ficarem macios (adicione mais água se necessário). Junte o restante dos ingredientes, tampe e deixe cozinhar por mais 10 minutos. Adicione o cheiro verde e sirva com arroz integral, mas puro também é ótimo!

Escrito por Marcelo Katsuki às 13h44

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Lugares | PermalinkPermalink #

Degustação à la carte

Degustação à la carte



Lembra a desgustação de uísque no Astor (R. Delfina, 163, Vila Madalena - tel: 11-3815-1364) que comentei alguns posts abaixo? Pois é, fui ontem e achei sensacional! Primeiro, pela agilidade do atendimento ao montar um micro espaço para degustação ali na sua mesa, com um tablado numerado, seis tacinhas e uma apostila com um pequeno roteiro, tudo muito prático. Depois, pela brincadeira informal de tentar captar aromas e sabores nas taças, com maltes de mel, baunilha, frutas e turfa, finalizando com uma dose do uísque. Tudo muito 'avonts', sem ninguém falando que tem de ser assim ou assado.

Confesso que não consegui captar o sabor do mel da primeira taça, mas havia elementos similares, como um aroma profundo de gosto persistente, meio doce, mas acho que a concentração do malte pegou minha língua de surpresa. A segunda taça, baunilha, era deliciosa, perfumada e suave, desceu com prazer, assim como a terceira, de frutas, mais leve e ligeiramente cítrica. Já a quarta taça foi um susto! Era a "turfa", um composto vegetal formado pela decomposição de raízes e ervas que é utilizado para "defumar" a cevada. Um cheiro forte que me lembrava borracha queimada e fuligem, grosseiramente falando. O sr. Passos, que me acompanhava na degustação, foi além: "tem gosto de guache escolar". Assenti sem muito entusiasmo, afinal nunca tinha tomado guache, minha maior ousadia na infância foi ter comido massinha de modelar (encorajado pelo "atóxico" da embalagem).

Já a dose de Buchanan's ao final revela o equilíbrio alcançado pelo "master blender" e desafia os mais experientes a localizar os aromas previamente degustados. Mas depois das quatro inocentes tacinhas, você pode ficar um pouco fora de prumo. Para me manter sóbrio e limpar o paladar, intercalei os goles com fatias de pão italiano e água e funcionou. Para completar a noite, arrematei outra dose do uísque acompanhado por uma saborosa travessa "à la brasserie" (não incluída na degustação), com frios, queijos e pães de primeira selecionados pelo sr. Passos. Programa lúdico para adultos, momento de prazer e diversão. E você ainda leva para casa uma linda tacinha de degustação, dentro de uma sacola de veludo com a apostila. Tudo por R$ 19,00.

Escrito por Marcelo Katsuki às 20h01

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Bebes | PermalinkPermalink #

Degustação de argentinos na Beale


A Beale (R. Rego Freitas, 52 - Vila Buarque - tel.11-3337-0899) começa hoje uma série de degustações e harmonizações com ótimos preços. As palestras serão ministradas por Alexandre Santucci, consultor e apresentador do programa "Descomplicando o Vinho" e acontecem sempre às 19h. Boa oportunidade para quem trabalha ou mora no centro da cidade.

Hoje (terça) e amanhã (quarta)
Regiões Vinícolas (R$ 30,00)
Um passeio pelas regiões de Mendoza, San Juan, Catamarca e Patagônia.

19/10 (quinta)
Grandes Vinhos Argentinos (R$ 40,00)
Degustação de vinhos 'top' de produtores especiais e de massa italiana preparada pelo chef Santana.

20/10 (sexta)
Harmonização descomplicada (R$ 40,00 )
Como combinar a gastronomia e os vinhos, com prato preparado pelo chef Santana.

Além do preço amigo, os valores pagos serão revertidos em compras na loja. Muito bom! Ah, as reservas devem ser feitas com a Adriana, pelo telefone 11-3337-0899.

Escrito por Marcelo Katsuki às 10h39

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Chi Fu, o templo dos frutos do mar

Chi Fu, o templo dos frutos do mar


[Pirâmide de siris. Ao fundo, o picante Mifun à Cingapura]


Na primeira vez em que fui ao Chi Fu (R. Barão de Iguape, 50 - Liberdade - Tel. 11-3207-4868), meu acompanhante notou algo na tigela e pediu para trocar. A atendente olhou, passou rapidamente o dedo para limpar e colocou de volta. Meu amigo se levantou e bateu em retirada. Agradeci a atenção e saí correndo atrás, com o casaco dele na mão.

Quando consegui convencê-lo a voltar ao lugar, tempos depois, demos com a porta fechada e o restaurante interditado pela fiscalização sanitária. "Demorô", foi o que ainda ouvi dele, para minha decepção.

Mas passando pela porta recentemente, pude ver uma concentrada família chinesa limpando verduras em mesas improvisadas na calçada. Ueba! Sempre ouvi falarem maravilhas desse lugar, preciso conhecer e vai ser logo. Liguei correndo para meu amigo e a resposta foi em alto e bom som: "Lá? Nem pensar!". E nem precisou pensar muito mesmo, quando percebeu já estava de volta ao curioso restaurante.

Dessa vez o atendimento foi correto. Me antecipei em examinar nossos pratos e tigelas a fim de evitar outra fuga inesperada, mas estava tudo limpo. Notei até que a decoração estava mais bonita, o interior passou por uma boa reforma e o ambiente, se não impressiona, também não causa má impressão. A atendente veio logo com os cardápios perguntando o que iríamos beber. Pedi uma bebida forte e típica e fui apresentado ao "sakê chinês", que de tão alcoólico, desceu queimando pela garganta até explodir no peito, deixando um forte sabor de arroz fermentado na boca. Pedimos os pratos e ficamos observando à volta. Na falta de conhecimento da maioria deles, fui algumas vezes até o fundo do salão para poder observar o que as famílias chinesas comiam e "raptar" alguns odores.

Quando chegou o primeiro prato, "Mifun à moda Cingapura" (R$ 12,00), fomos avisados ser um macarrão picante. O brilho dourado do curry aliado ao perfume da fritura das tirinhas de porco prometia. Embalado pela força do 'sakê chinês', ainda coloquei um pouco do molho de pimentas vermelhas, dei uma leve mexida e levei o macarrão à boca, deixando os sabores percorrerem minha língua. Fechei os olhos e pude ver nitidamente um dragão. Era um dragão chinês, com os olhos vermelhos e a boca aberta soltando chamas diretamente na minha cara. Abri os olhos e vi que quem cuspia fogo 'pelas ventas' era eu, com um queimor inacreditável que causava calafrios pelo corpo todo! Incauto, virei o copo de sakê para aliviar a dor, mas queimei a língua e destruí o paladar, abanando a boca descontroladamente até recuperar os sentidos.


[Frango com gengibre e Arroz chop suei]


Passada a auto-combustão, chegou o segundo prato: pilhas e pilhas de siri. Fresquíssimos. Ao fundo do salão encontram-se vários aquários com peixes, camarões, siris e outros pescados. Vai tudo direto do aquário para seu prato, com rápida escala pela cozinha, onde são preparados com apurada técnica. Os "Siris com Gengibre" (R$ 25,00) chegaram à mesa estalando, e exalavam puro aroma de cebolinhas e galanga, além de um sutil molho chinês. Morder a carne crocante segurando pelas patinhas revelou-se uma experiência prazerosa. Os temperos emolduravam com perfeição o delicado sabor do siri, deixando na boca um rastro de mar com um toque oriental. Delicioso!

Não queria comer mais nada depois desse prato. Diante da fome do meu acompanhante, sugeri o interessante "Três Frutos do Mar com Barriga de Peixe", mas foi tido como exótico demais. Pois essa será a minha próxima pedida numa futura visita. A opção foi "Frango com Molho de Gengibre" (R$ 15,00) e "Arroz Chop Suei" (R$ 10,00), para meu descontentamento. E meus instintos não me enganaram. Os pratos eram saborosos mas doces demais, o arroz pecava pelo excesso de cozimento onde os cubos de porco reinavam com forte odor. Já o frango era gorduroso e mal se sentia a carne, sobrando pele para todos os lados.

Pedi a "Sobremesa Chinesa", mas notei certa falta de entusiasmo da atendente ao dizer que iria demorar muito. Muito quanto? Muito, apenas. Aliás, a comunicação é um pequeno obstáculo no lugar, procure ser direto ao pedir os pratos do cardápio e não pergunte muito. As respostas são quase sempre ininteligíveis, mas o banquete estará garantido se você optar pelos frutos do mar. E as porções são bem generosas!


[Procurando Nemo? Já foi pra panela!]


Nota: corre a lenda na Liberdade de que quando o proprietário encomendou a placa da fachada, explicou para o pintor que seria um restaurante especializado em "frutos do mar" ('sea food', em inglês) e pediu para escrever: "shee foo". "Chi Fu?" teria perguntado o pintor. "Isso, shee foo!".
E assim nascia o "Chi Fu", especializado em frutos do mar, ou 'sea food'.

Escrito por Marcelo Katsuki às 00h03

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Lugares | PermalinkPermalink #

Nos bastidores da Prazeres da Mesa



Acontece nos dias 24, 25 e 26 de outubro a terceira edição do Prazeres da Mesa ao Vivo, um evento gastronômico que recebe chefs brasileiros e estrangeiros para discutir o futuro da gastronomia. Nesse três dias, a revista Prazeres da Mesa é produzida "in loco" com a presença de chefs, fotógrafos, enólogos e do público, que pode assistir às aulas e acompanhar todas as etapas da produção. Para quem não puder ir, o evento será transmitido via internet pela UOL e também via rádio, pela Band News FM.

Entre os chefs que participarão estão Luiz Emanuel (Allez, Allez!), César Santos (Oficina do Sabor - Olinda) e Carla Pernambuco (Carlota). As atrações internacionais ficam por conta de Eneko Atxa, chef basco do restaurante Azurmendi que comandará uma aula-jantar sob o tema "levezas do mar", do português Vítor Sobral e do peruano Eduardo Castañon que também ministrarão aulas.

Uma das novidades é a aula-degustação "Cinema e Gastronomia" com o crítico gastronômico Josimar Melo, que apresenta uma série de filmes de abrir o apetite, com direito a uma degustação surpresa ao final. Legal, né?

Outro programa divertido é o concurso "Talentos Ao Vivo", onde estudantes de gastronomia têm quatro horas para preparar uma receita com ingredientes encontrados em uma geladeira. O vencedor, eleito por um juri especializado, terá sua receita publicada na revista.

Confira a programação completa do evento clicando aqui.

Serviço: Prazeres da Mesa ao Vivo III
Datas: 24 a 26/10
Horário: das 14h as 20h
Local: Centro Universitário Senac - Av. Eng. Eusébio Stevaux, 823 - Sto. Amaro.
Entrada: R$30,00 - Eventos fechados: preços variáveis
Inscrições e informações:11-2179-1199

Escrito por Marcelo Katsuki às 00h36

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O cliente nem sempre tem razão



Danny Meyer, presidente do Union Square Hospitality Group, que possui vários restaurantes badalados em Nova York, deu uma entrevista ótima ao The Wall Street Journal. Entre outras coisas, Danny conta que superar as expectativas dos clientes medianos é a garantia de tê-los de volta sempre. Num mercado competitivo como o de NY e recebendo muitas celebridades em seus restaurantes, ele teve que aprender a equacionar essas expectativas.

Para Danny, a seleção dos funcionários deve privilegiar o "talento emocional", mais até do que os dotes na cozinha ou seus conhecimentos. Os melhores são aqueles que se sentem muito satisfeitos pelo simples ato de causar satisfação. Mas para que seus funcionários estejam sempre satisfeitos, ele aprendeu que é preciso também ficar do lado deles, ou seja: o cliente nem sempre tem razão, embora seja importante dar a ele a oportunidade de sentir que é ouvido.

Matéria útil para quem lida com público, ou pra gente apenas entender um pouco do que se passa do "outro lado do balcão". Leia a íntegra (em inglês) clicando aqui.

Escrito por Marcelo Katsuki às 00h36

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Na rede com Ruth Reichl

Na rede com Ruth Reichl

Nada como um dia de folga para botar a cabecinha no lugar e dar uma trégua ao corpo. Aproveitei o dia preguiçoso e me joguei na rede para ler (e me deliciar) com o livro Alho e Safiras da Ruth Reichl. A autora, já conhecida por aqui por conta de seu "Conforte-me com Maçãs" volta com um livro divertido, contando as agruras e os prazeres dos tempos em que foi crítica de gastronomia do New York Times.

Para não ser reconhecida nos restaurantes, o que mudaria o tratamento recebido e comprometeria uma avaliação isenta, Ruth cria personagens, se fantasia e passa a ser esnobada e até humilhada em restaurantes badalados, como aconteceria com qualquer pessoa "normal".

O texto é gostoso de ler e as descrições dos pratos chegam a detalhes quase microscópicos, evidenciando texturas e cheiros imperceptíveis para muitos. E o que ela pensa de fato sobre um restaurante?

"Todo restaurante é um teatro, e os verdadeiramente excelentes nos permitem entregar-nos à fantasia de que somos ricos e poderosos. Até os restaurantes mais simples nos oferecem a oportunidade de nos tornarmos outras pessoas, pelo menos por um certo tempo. Restaurantes nos libertam da realidade mundana: isso faz parte do seu charme".

O divertido do livro é observar suas várias visitas aos restaurantes (fantasiada ou não) e depois conferir a crítica publicada no jornal, que encerra cada capítulo. O livro traz ainda receitas selecionadas pela autora, como as interessantes Batatas Hash Brown e Gougères, espécie de bolinho de queijo.

Alhos e Safiras - Editora: Objetiva
ISBN: 8573027835 - Ano: 2006
Número de páginas: 360

Escrito por Marcelo Katsuki às 11h26

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Prateleira | PermalinkPermalink #

Degustação 12 anos

Degustação 12 anos

Cada louco com a sua mania. Eu, por exemplo, adoro tomar uísque comendo pepinos frescos. E gosto de uísque com água, bastante água (ou "mizuwari", como dizem no Japão). Fica mais suave, hidrata e ainda acordo no outro dia sem resquícios dos excessos da noite anterior. Claro que não estou levando em conta aqui nenhum princípio de harmonização da bebida (se é que existe), apenas relatando um gosto pessoal. Ah, às vezes também compro alguns "okakis" (salgadinhos japoneses bem crocantes com algas marinhas ou gergelim). São bem menos "invasivos" que azeitonas ou batatas fritas e caem super bem com a bebida.

Outro dia, meu editor-chefe comentou que o Gold Label (ou seria o "Blue", ai meu Deus) devia ser degustado com chocolate. Meu amigo Junior, que também escreve sobre gastronomia, confirmou e ofereceu a garrafa. Eu entraria com os chocolates (que deviam estar à altura, hehe), mas a gente nunca consegue casar as agendas e o nosso "como uísque para chocolate" vai sendo adiado sem "prazo de validade".


Mas essa conversinha toda é apenas para contar que o Astor (R. Delfina, 163, Vila Madalena - tel: 11-3815-1364) está promovendo uma degustação à la carte de Buchanan's com os 4 principais maltes que compõem o uísque (mel, baunilha, trufa e frutas) por R$19,00. O preço "amigo" ainda dá direito a uma dose de Buchanan's 12 anos, uma apostila e uma exclusiva taça de degustãção como brinde.

E depois de degustações de vinhos, de cafés e até de águas, nada como desvendar os aromas e sabores presentes em um scotch. Como verdadeiro adorador de uísques, não vou perder essa. Semana que vem eu conto.

Escrito por Marcelo Katsuki às 10h51

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Bebes | PermalinkPermalink #

Comida e auto-sustentabilidade

Comida e auto-sustentabilidade



O Brasil A Gosto (R. Prof Azevedo do Amaral, 70, Jardins - Tel: 11-3086-3565) da chef Ana Luiza Trajano trouxe à cidade um projeto bem interessante: o Mãos de Oca, de Pouso Alegre (MG). O grupo possui uma proposta inovadora de auto-sustentabilidade e utiliza como matéria prima os subprodutos da mandioca (fibra e casca) e tinta natural, criando belas peças de decoração como quadros, mandalas, floreiras, aparadores de mesa e bonecas (foto acima). Estas aliás estarão em exposição no restaurante até o dia 24 de outubro, quando será promovido um bate-papo informal com as artesãs e a venda das bonecas. Vamos lá?

O Brasil A Gosto funciona de terça a sexta, das 12h às 16h e das 19h às 24h. Aos domingos abre das 12h às 18h.

Escrito por Marcelo Katsuki às 16h55

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Mixer | PermalinkPermalink #

Para as crianças

Mais uma opção para comemorar o Dia das Crianças comendo bem. A Mamarana Cucina Italiana (Rua Pará, 196, Higienópolis - tel. 11-3661-8799) preparou o menu "Per i Bambini", com 3 opções de pratos caprichados. O "Hamburguinho de frango" ficou muito divertido! Além dessas sugestões, a Mamarana possui um cardápio fixo para crianças que inclui um escalope grelhado com batatinha frita e três tipos de massas com opções de molho à sua escolha.



Menu per i Bambini
• Hamburguinho de Frango com spaghetti na manteiga (R$ 16,50).
• Polpetone recheado e purê de batatas com molho de cogumelos ou 'ao sugo' (R$ 16,50).
• Risoto Pomodorinho - arroz arbóreo, cubinhos de tomate e de mussarela de búfala e manjericão (R$ 15,50).

Escrito por Marcelo Katsuki às 01h24

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Lugar de criança é na cozinha!

Lugar de criança é na cozinha!



Meu primeiro livro de culinária da Annabel Karmel foi produzido para agradar às crianças nos primeiros anos de vida. É super didático: ensina através de imagens os nomes dos utensílios utilizados na cozinha e até as atividades mais comuns como sovar, derreter e amassar com a mão. As receitas são fáceis mas nem por isso menos saborosas. Rico em fotos e com projeto gráfico bem colorido, é perfeito para iniciar os pequenos na cozinha. E as receitas, como essa do bolo acima, tentadoras. Vai dizer que não deu vontade de comer esse bolo aí de cima?

Para saber mais sobre o livro ou comprá-lo, clique aqui.






O pequeno mestre-cuca da Katharine Ibbs já é um livro voltado para crianças mais experientes ou que possuem maior autonomia na cozinha. As receitas são mais sofisticadas (ensina de falafel a sushi!) e algumas já até fiz em casa, como a "Sopa oriental" e o "Frango ao curry" (devidamente testadas e aprovadas!). O projeto gráfico é bonito, tem belas fotos, surpreende os filhos e os pais também! As receitas são divididas por tópicos como matinais, entradas, pratos principais, sobremesas e até pães e bolos. Eu gosto tanto desse livro que já dei para duas pessoas, que acredito estarem se divertindo à beça com ele. O desejo de todo pequeno mestre-cuca!

Para saber mais sobre o livro ou comprá-lo, clique aqui.

Escrito por Marcelo Katsuki às 00h48

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Prateleira | PermalinkPermalink #

Entrou pelo cano!

Entrou pelo cano!



Quando a gente pensa que não tem mais nada para se inventar, você liga a TV no meio da madrugada insone e 'pow' - surge ela: a fantástica máquina de cozinhar macarrão que não vai ao fogo e nem usa energia elétrica. Como assim?

A propaganda é hilária: você vai colocar a massa na panela comum e cai tudo fora. Na hora de escorrer, o espaguete cai na pia, você se queima, um "fuá" na sua triste cozinha da idade da pedra. "Mas não se desepere, seus problemas acabaram!" Com esse novo "utensílio" você despeja água quente sobre o macarrão e assiste ao seu cozimento pelo tubo transparente. Vira o tubo na pia e a água sai pelos furinhos, como um saleiro gigante. É a salvação da dona de casa moderna!

A cozinheira, atrevida, ainda joga um pedaço de manteiga dentro do tubo quente, algumas ervas e sacode feliz da vida antes de virar o tubo na travessa e servir os nhoques fumegantes. Além de servir para cozinhar e agregar o molho à massa, o 'tubo' ainda pode ser usado para guardar o macarrão no armário. Demais? Mas se era tão simples assim, como ninguém pensou nisso antes?

Fiquei curioso, não consigo imaginar a massa cozinhando sem as ondas de água fervente girando na panela. Será que funciona mesmo? Será que não gruda tudo ou fica empapado? Pensei até em simular utilizando uma garrafa térmica, mas achei meio insano. Se alguém já testou ou comeu macarrão feito no "tubo", que atire a primeira pedra!

Escrito por Marcelo Katsuki às 00h15

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Objeto de Desejo | PermalinkPermalink #

Cozinhando para o futuro

Cozinhando para o futuro


[Bacalhau "à cavalo". Ousadia? Tava ótimo!]


Na sexta-feira passada fui ao Restaurante Escola, (Esplanada da Câmara Municipal de SP - Viaduto Jacareí, 100, Centro - tel: 11-3115-1101) um bonito salão sob uma tenda branca atrás da Câmara com vista para o Anhangabaú (também conhecido como o "sutiã da Marta") para almoçar. Trata-se de um projeto que atende jovens carentes que querem ingressar no ramo da gastronomia. Lá, eles aprendem desde atendimento no salão até o preparo dos pratos, além de aulas teóricas.



O chef que cuida do projeto é o grande Volmar Zocche, uma pessoa de disposição e generosidade sem igual, junto com o também empenhado Luiz, seu subchef. Eles preparam 60 jovens para o mercado de trabalho a cada seis meses. Uns acabam ficando como monitores, outros conseguem estágios na Europa e alguns já saem de lá trabalhando em bons restaurantes da capital. Já contratei várias vezes alguns alunos para eventos que organizei e eles sempre responderam de forma profissional. Sempre que dá, indico para amigos e o resultado é sempre satisfatório.



Dei sorte. Na primeira sexta do mês é servido bacalhau. Eu adoro bacalhau! Além de muito bem feito (sob a supervisão dos chefs) o preço e a vista tornam a visita ao "Restaurante" mais do que atraente. Por R$ 14,00 você tem direito a uma salada e ao prato do dia. Na segunda o preço é ainda menor: R$ 9,00. E o que dizer da sobremesa? Petit gateau de chocolate com sorvete por R$ 3,50. Uma comida com essa qualidade e sabor você nunca vai encontrar por esse preço. Sem falar que você está contribuindo para a manutenção do projeto, que já se encontra em sua sexta turma de alunos. Foi ótimo!




Vinagrete
Há dois anos atrás levei Christine Yufon, professora de etiqueta e personalidade do mundo da moda, para conhecer o projeto do Restaurante Escola. Ela, divertida e animada à mesa, não parava de contar novidades enquanto brincava de fazer poses com um colar cheio de sementes gigantescas. Tudo ia bem, mas na hora em que chegou a salada com folhas enormes, bateu um ligeiro pânico: lembrei-me de Christine falando que não se deve picar nem fazer dobradura com as folhas (coisa que eu adoro) e sim abrir bem a boca e enfiar a folha inteira. Mas aquelas folhas eram enormes!

Não vacilei em abrir o bocão, mas enquanto mastigava, ela contou uma história que concluiu fazendo pose de diva (coisa que ela adora) com a palma da mão virada para cima. Fui rir e tossi. Tossi um pedaço da alface, que voou até pousar inacreditavelmente na mão dela! Com tanta gente para eu dar gafe, fui "cuspir" justo na professora de etiqueta! Ah, meu pai! Fiquei sem ar, não sabia se dava uma garfada rápida, se assoprava ou pegava com a mão. Existe etiqueta pra isso? Enquanto aproximava o garfo do alvo, os chefs que nos acompanhavam à mesa perceberam meu desespero e perguntaram se estava tudo bem. Tudo péssimo! Com todas as atenções voltadas para mim, recolhi o garfo discretamente enquanto ela repousava a mão fechada sobre o colo.

O que se passou depois disso na minha cabeça sobre o destino da folhinha de alface, só eu sei. Quase não comi mais naquele dia. Ri bastante, mas de boca vazia. Até bebida evitei, a gente nunca sabe quando vai querer dar um banho em alguém, não é mesmo? Peguei trauma de alface, de etiqueta e foi impossível não me lembrar dessa história diante das folhas enormes do prato servido na sexta. Mas dessa vez fiz "dobradura". E contive a gargalhada costumeira.


[superando traumas]

Escrito por Marcelo Katsuki às 23h46

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Lugares | PermalinkPermalink #

É bom ser criança!



Confeiteiro mirim
O "Atelier Gourmand" e "Margot Botti Consultoria Gastronômica" promovem de 5 a 15 de outubro no Shopping Jardim Sul (Av. Giovanni Gronchi, 5819, Morumbi) o Doce Jardim, oficina gastronômica para crianças onde elas aprenderão a preparar o Cup Cake, tipo de muffin. Cada criança poderá levar para casa o chapéu de mestre-cuca, um avental, e o seu cup cake personalizado. A oficina é voltada para crianças de 4 a 12 anos e acontece de 05 a 15 de outubro, das 14h00 às 20h00 no piso 2. Informações pelo telefone 11-3779-3900.






Pintando o sete
No restaurante D’ Múcios (Rua Juriti, 651, Moema - Tel: 11-5052-8333) a criançada poderá fazer maquiagens, encher bexigas e pintar com a ajuda de monitores nos dias 12, 14 e 15 de outubro, além de comer o cardápio Kids. Durante todo esse mês, acontece um concurso de pintura do jogo americano do restaurante, e o mais votado será premiado com um kit para colorir e um almoço ou jantar para quatro pessoas.






Assooooopra!
A Nestlé lançou mais de 20 novos produtos para o verão, mas um deve fazer sucesso entre a garotada: o Soproloco (à venda em todo o Brasil). O palito do sorvete multicolorido deve ser encaixado em uma cesta com bolinha (que deve ser retirada no caixa). Você assopra e a bolinha flutua sem sair do eixo. Divertido! Achei que poderia ser até "terapêutico" para aliviar a tensão aqui no trabalho, mas depois da terceira assoprada, me deu tontura. A idade é cruel...






No copinho
A Nutty Bavarian lança o Mix Fantasia: castanhas glaceadas misturadas com balas de goma dentro de copos coloridos para a criançada colecionar. São quatro copos de cores diferentes com estampa dos personagens Nutinho e Nuteca. Cada um contém aproximadamente 150g de doces e custa R$ 10,00. No dia 12 de outubro, toda criança receberá um balão colorido na compra do Mix Fantasia. A Nutty Bavarian possui quiosques em vários shopping centers pelo país.






O bifinho que vale um docinho
O Bucatini (Rua Abílio Soares, 904 – Paraíso - Tel: 11-3887-5769) preparou o menu "Semana da Criança" (7 a 15 de outrubro) com duas opções: "Macarrão Divertido" (confeccionado à base de beterraba e espinafre, a R$ 13,00) ou "Bifinho com Batatas Smiles" (R$ 15,00). A "Mousse Maluca de Chocolate" com bolinhas crocantes (que derretem na boca) é cortesia para quem pedir um dos dois pratos.








Sushi com o Barney
Durante a semana do dia das crianças, o restaurante Noyoi (R. Gomes de Carvalho, 1165, Vila Olímpia - Tel: 11-3044-2643) oferece um par de ingressos para O Parque Musical do Barney às 15 primeiras crianças que estiverem almoçando ou jantando no restaurante. Os ingressos serão válidos para o domingo, dia 15 de outubro, no Via Funchal.


Escrito por Marcelo Katsuki às 19h07

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Dê um bolo no dia do 'profe'!



Há alguns anos atrás, ganhei de uma amiga um bolinho desses com boneco de massa americana. Eu na picape com vários discos (na época eu tocava na noite), era tão bonito que fiquei com pena de comer. Achei tão legal que passei a dar para os amigos: cozinheiros no fogão, DJs, músicos, fotógrafos e até um Pokémon eu encomendei. Todo mundo ficava impressionado.

Pensando no "Dia dos Professores" que se aproxima, pedi para a Regina Emy (artista-confeiteira de mão cheia!) para fazer um bolinho para a data. Achei que podia ser uma dica de presente bacana, quem ganha nunca se esquece! Ela caprichou: fez um brownie com nozes decorado com pasta americana. O "bolinho" pesa 330g, mas com toda a decoração chega a 550g e vem numa caixa de acetato rígido. Quem quiser encomendar, deve correr para dar tempo. O telefone para pedidos ou maiores detalhes é (11) 5011-5925 ou 9231-3085.

P.S. vendo o bolinho não pude deixar de pensar na Doralice, minha amiga professora que tá sempre aqui no blog dando a sua valiosa colaboração. Pena que ela mora em Curitiba e não dá para enviar o bolo, vai que a boneca chega com a lousa enfiada na cabeça, hihi? Mas fica aqui a homenagem, Dora!

Escrito por Marcelo Katsuki às 20h04

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Encontro azeitado



Ontem participei de uma degustação de azeites seguida de harmonização dos mesmos com pratos da chef Clô Dimet no La Table O&Co, que funciona junto ao Oliviers & Co (r. Bela Cintra, 2023 - tel. 11-3088-9008). Antes assistimos a uma interessante palestra com Marcus Bueno Pimentel, especialista em azeites e que nos falou sobre o processo de fabricação e explicou o procedimento correto para a degustação.

O azeite é o novo vinho? Pode parecer exagero, mas o fato é que até D.O.C. (denominação de origem controlada) ele tem. E assim surge um novo profissional, que orienta os clientes na harmonização, assim como o sommelier. Seria o 'azeitelier' ou 'olivier'? 'Oilier', sugeriu Ju Bianchi, minha companheira nessa divertida discussão.

Os azeites degustados eram bem distintos: um era puro vegetal com fundo picante, outro suave e frutado e um terceiro bem intenso de persistência marcante. Não parece que eu tô falando de vinho? Pois é. Mas foi na harmonização que os azeites surpreenderam. Resumindo: brandade de bacalhau com azeite de 'citron', risoto de ervilhas com azeite de hortelã (perfeito), salmão com aspargos e carré de cordeiro com azeite de manjericão, sorvete de manjericão com azeite de hortelã e finalizando, trufa de chocolate com azeite de pimenta (escândalo!). Ficou impressionado? Vai lá no "La Table" que especialistas podem sugerir harmonizações incríveis com os pratos do cardápio!

Coisas que aprendi:
- O azeite pode ser varietal, com até 8 tipos de olivas num único produto.
- Um monovarietal não é necessariamente melhor do que um "blend", a composição é justificada pela busca do 'bouquet' pretendido, e não interfere na qualidade.
- Os exemplares mais esverdeados têm mais clorofila, típicos de regiões mais quentes e ensolaradas.
- Ele se conserva melhor em lata do que em vidro, pois fica protegido da luz.
- Numa avaliação, 10% é visual, 30% é do aroma e 60% do paladar.
- Os azeites costumam ser avaliados como frutados, florais, vegetais e apimentados.
- Antes de cheirar, aqueça a taça de azeite com uma mão e tampe com a outra para condensar o aroma.
- Depois de aberto, o azeite dura de 4 a 6 meses.
- Extravirgens devem ser aplicados sobre o prato pronto ou alimentos crus, nunca no preparo quente na panela.
- São necessários cinco quilos de oliva para produzir um litro de azeite.
- Para macerar o azeite com ervas frescas, ele deve ser aquecido até 27ºC, resfriado e as ervas devem ser retiradas após 3 dias para evitar fungos.
- Ervas secas podem ser usadas por mais tempo, mas apenas para efeito decorativo.
- Por fim, o melhor azeite é aquele que se adapta ao seu paladar. Mas é sempre legal conhecer coisas novas. Ontem por exemplo, me apaixonei por um azeite de "mandarin". Incrível!

Escrito por Marcelo Katsuki às 21h43

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Agenda de cursos



Mamarana Cucina Italiana
Aulas ministradas pelo chef Carlos Ribeiro, sempre às 19h30. Os alunos recebem apostilas e participam da deliciosa degustação dos pratos. Valor do curso por pessoa: R$ 125,00 com direito a uma taça de vinho e brindes.

04 de outubro - Risotos
11 de outubro - Paella
20 de outubro - Molhos e Massas
27 de outubro - Pizzas

Inscrições (11) 3661-8799 ou 3661-8307 com Lucélia.
A Mamarana fica na rua Pará, 196, Higienópolis, São Paulo




Cozinha do Saber

A Casa do Saber oferece o curso "Comer, Beber, Viver - Histórias de Cozinha e Culturas Gastronômicas", que visa compreender as razões da paixão histórica e atual pelo vasto universo gastronômico da cozinha e de seu entorno. O curso que tem 10 módulos e começa no dia 9 de outrubro abordando o tema "Antropologia das culturas alimentares" com Gabriele Cornelli (Unicamp).

Para maiores informações, clique aqui.
A Casa do Saber fica na rua Dr. Mário Ferraz, 414 - Jd. Paulistano - SP






Viandier Casa de Gastronomia

03 de outubro - Ter - 19:30
A Renascença e as Navegações por Ricardo Maranhão
Cardápio: Crostini di Olive, Coelho Agridoce, Caju Cristalizado, Vinho Verde - R$ 75,00.

05 de outubro - Qui - 19:30
Filé Mignon em 5 versões com o chef Pier Paolo Picchi
Cardápio: Tartar piemontese, Roastbeef de filé ao vinagrete de cítricos e mais 3 pratos. R$ 155,00.

07 de outubro - Sab - 10:00
Day Cook com o chef Carlos Ribeiro
Dia dedicado à culinária. Ida à feira/mercado. Preparo do almoço com o chef e degustação. R$190,00.

09 de outubro - Seg - 19:30
Tapas Variados com a chef Clô Dimet
Polvo marinado, Lulas com cebola caramelizada e batata confit e mais 3 pratos. R$ 150,00.

Para ver a programação completa, clique aqui.
A Viandier fica na alameda Lorena, 558, Jd. Paulista - tel. 11-3057-2987.

Escrito por Marcelo Katsuki às 12h27

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Paródia na cozinha

Paródia na cozinha



O show Comida dos Astros de Luiz França e Rony Cácio é um projeto teatral-musical-gastronômico com formato de "rádio-teatro" onde os atores/cantores fazem curtos programas, como o "Cardápio Eleitoral Gratuito" e a "Voz do Pernil", sempre abordando o tema "comida" com muito humor.

No show o público é chamado a desafiar os dois atores no quadro "Self Service", sugerindo nomes do mundo musical que resultam em paródias impagáveis. E a trilha sonora acaba sendo um verdadeiro "cardápio" musical.

O show Comida dos Astros estréia amanhã, 4 de outubro no Teatro Folha (Av. Higienópolis, 618 - Piso 2 - Shopping Pátio Higienópolis) e fica em cartaz até 9 de novembro.

Conheça o site e ouça algumas canções clicando aqui.

Escrito por Marcelo Katsuki às 18h49

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Mixer | PermalinkPermalink #

B&G: churrasquinho no centrão

B&G: churrasquinho no centrão



Sempre que me dá vontade de comer um "churrasquinho" no almoço, corro pro Churrasqueto (R. 24 de Maio, 237, República, tel. 11-3337-8428). Há outras opções próximas ao jornal como o "Filé do Moraes" e o "Boi na Brasa", mas o Churrasqueto se enquadra na categoria "barato e gostoso", o que me faz atravessar a praça da República animado. Há também o fator "nostalgia", pois sempre que podia, comia lá depois de garimpar CDs na Mesbla e no Mappin, as saudosas lojas de departamento do centrão. Bons tempos!

Os garçons são daqueles que "envelheceram com o estabelecimento": experientes, atenciosos; e o espeto sai rápido e ao ponto (importante para quem tem pressa). Meu prato default é o "Espeto Gaúcho" (R$ 9,00), mas sempre peço pra trocar o lombo por linguiça. Vem acompanhado de fritas sequinhas e um arroz com sabor ótimo, daqueles que a gente come até puro. O couvert com pães quentinhos assados na brasa traz duas molheiras e manteiga. Sempre tomo suco de melancia (R$ 1,60) e encerro com um pudim de leite (R$ 2,00) reconfortante para o estômago e para o bolso.



O salão retangular é simples e ocupa o térreo de um bonito edifício, imperceptível na confusa 24 de Maio. Outra coisa boa do Churrasqueto é que você nunca sai de lá "defumado" e pode voltar pro trabalho sem aquele inconveniente cheiro de bacon arruinando o cabelo.


[B&G: barato e gostoso!]

Escrito por Marcelo Katsuki às 17h45

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Lugares | PermalinkPermalink #

Foi a azeitona



Sempre dava uma passada no Rancho da Empada [R. Domingos de Moraes, 2026, V. Mariana, Tel: 11-5549-4443) após a acupuntura. Fazia massagem, equilibrava o corpo e a mente e depois me jogava nos salgadinhos, com direito a uma "breja". Falta de juízo? A boca pode ser mais forte que a mente! O problema na verdade era geográfico, o "oásis das delícias" ficava no caminho de volta para casa.

O "Rancho" ficou famoso pela empada de massa leve que desmancha na boca e pelos recheios caprichados. Tinha até banido a azeitona dos recheios para não "interferir no sabor", mas ao receber o prêmio de melhor salgado em recente premiação, ouviu da apresentadora um "agora vocês ganharam mais uma azeitona pro recheio", hihi.

Incongruências à partes, o fato é que o "Rancho" acabou relançando sua empada com azeitona, a de carne, mais picante, ao custo de R$ 2,70. Aproveitei o 'revival' para comer outro favorito, o croquete de carne, também a R$ 2,70. Continua tudo excelente, só meus pontos vitais é que não andam mais lá aquelas coisas.


Escrito por Marcelo Katsuki às 11h37

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Marcelo Katsuki Marcelo Katsuki é editor de arte de Mídias Digitais da Folha, colaborador da revista sãopaulo e colunista da "Prazeres da Mesa".

BUSCA NO BLOG


TWITTER

    Twitter RSS

    ARQUIVO


    Ver mensagens anteriores
     

    Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
    em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.