Marcelo Katsuki

Comes & Bebes

 

Porta-garrafa para vinho

Porta-garrafa para vinho



Consuuuuumo!!! E por falar em retrô, olha que incríveis essas 'latinhas' para garrafas de vinho! Achei muito legal, dá pra carregar com segurança e até presentear os amigos, de preferência com um bom tinto dentro, hehe. Ou branco, rosé, espumante... cada um com suas preferências!

É da "Silla Objetos" e é feita em papel-cartão resistente e metal, e vem com alça para ser carregada como uma bolsa. Pode ser encontrada na Benedix e o preço sugerido é de R$ 15,00, mui atraente. Vou lá conferir.

Escrito por Marcelo Katsuki às 00h45

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Objeto de Desejo | PermalinkPermalink #

B&G*: Salada Record

B&G*: Salada Record



Segunda é dia de Virado à Paulista? Que nada, todo dia é dia de Virado! Pelo menos no Salada Record (nome ótimo, meio retrô, né?). Aliás, queria saber quem foi que inventou essa estória de virado na segunda, feijuca na quarta, peixe na sexta... francamente, pôxa! Liberdade de escolha! Ontem era quinta, dia de massa, mas comi virado. Aliás, "o melhor virado da cidade"!

Foi esse o mote que me chamou a atenção no "Salada Record", o quase cinqüentenário restaurante ali vizinho do Bar Brahma, outra instituição da cidade. E olha que o sol ontem estava 'de rachar', e enfrentei uma av. São João com clima senegalesco, tudo para comer um virado. Virado estava eu, das idéias!


O restaurante foi fundado em 1958 e já passou por algumas reformas, basta olhar as nostálgicas fotos nas paredes do salão. Você vai descobrir que as colunas, hoje quadradas, já foram pilares arredondados, e que os funcionários da época usavam uniformes engraçados. Ah, a moda... Mas agora o lugar está sofrendo mudanças a contra gosto: tiraram a placa da fachada, que identificava o lugar e terão de demolir a marquise por conta das exigências da nova lei da prefeitura. Até a prosaica placa com os preços vai desaparecer, ou ficar numa parede interna. Muda tudo.


[Placa com preços na fachada. Por enquanto...]

Mas enfim, eu vim aqui falar do virado. Ah, o virado... É gostoso, bem servido e custa R$ 9,80 (tem uma versão mini a R$ 8,70). Vem com uma bisteca, ovo frito, torresminhos (hum!), fatias de lingüiça, couve e banana frita. Provei também a Carne Seca desfiada com mandioca. A carne vem tão frita que chega a ser crocante, mas é saborosa. Já a mandioca veio meio seca e dura (nas duas vezes em que estive lá) ao contrário do arroz, gostosinho, com sabor de comida caseira. Mas voltando ao título de "melhor virado da cidade", se é mesmo fica difícil de afirmar. Teria que passar alguns anos comendo o prato todas as segundas pelos quatro cantos da cidade para poder dar um veredito, hehe. E vocês, conhecem algum Virado especial escondido pela cidade? Conta aí!!!



[Marquise na S.João - já sem o nome - e vista do Banespa]

Salada Record
Av. São João, 719 - Centro/SP
Tel: (11) 3223-1881
*Barato & Gostoso

Escrito por Marcelo Katsuki às 00h20

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Lugares | PermalinkPermalink #

Nos bastidores da comida, ops, notícia!



Birgitta Wilén, editora de web da Suécia, passou um dia aqui na redação. Almoçou com o editor chefe, trocou algumas idéias comigo sobre blogs (e comidas!) e o conversê acabou gerando um post no "Citizen Media Watch". Birgitta revelou parcialmente os bastidores do site e acabou contando um pouquinho da história do "Comes & Bebes". Está tudo em inglês, mas tem fotos (inclusive uma minha trabalhando de camiseta Hello Kitty rosa!). Quer saber mais? Vai lá!

Escrito por Marcelo Katsuki às 09h37

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Pastel de massa folhada com bacalhau

Pastel de massa folhada com bacalhau



Mais uma dica legal pra Páscoa, dessa vez sugestão da Cozinha Experimental Arosa. Eu adoro massa folhada, até comi "Tiropita" no domingo, uma torta grega de massa folhada recheada com queijo e alho poró deliciosa.

Mas vamos à receita. Não é complicada e acho que vou testá-la no finde.

Pastel de forno de Bacalhau com massa folhada

Ingredientes
- 2 pacotes de Massa Folhada Arosa 300 g

Recheio
- 3 colheres (sopa) de azeite
- 1/2 xícara (chá) de cebola picada
- 2 dentes de alho picado
- 250 g de bacalhau
- 1 xícara de pimentão picado
- 1 folha de louro
- 1/2 xícara de azeitonas picadas
- 2 ovos cozidos picados
- 1/2 xícara de salsa picada
- 1 ovo para pincelar

Recheio: dourar a cebola e o alho no azeite, acrescentar o bacalhau, dessalgado e desfiado, a folha de louro e o pimentão picado. Retirar do fogo e misturar os demais ingredientes.

Montagem: abrir a massa e cortar em quadrados de 10 cm X 12,5 cm. Umedecer as laterais ligeiramente com água, colocar o recheio no centro e fechar formando um pastel. Gelar por 10 minutos, pincelar com o ovo batido a superfície e assar em forno elétrico ou a gás, pré-aquecido a 180 °C por 25 a 30 minutos. Rendimento: 16 unidades

Escrito por Marcelo Katsuki às 23h23

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Comes | PermalinkPermalink #

As aventuras de um casal em férias



Os queridos Maira Hora e Flávio Prado (o "casal aventura" da Folha Online) pegaram um carro e saíram em férias pelas belas paisagens do Cone Sul. Entre comidinhas regionais, cassinos e praias com catracas o casal vai se aventurando e contando tudo no Diário de Bordo.

A viagem começou em São Paulo e prevê passagens por cidades do sul do país, Argentina e Chile. Além de 'bons de garfo', Flávio e Maira fotografam e escrevem bem, o que deve render ótimas dicas de turismo gastronômico. Quer acompanhar? Clique aqui!

Escrito por Marcelo Katsuki às 12h40

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

La Pasta Gialla: cardápio novo e promoção

Estive na semana passada na La Pasta Gialla para degustar o novo cardápio da rede, criado pelo Chef Sergio Arno, que buscou inspiração em sua recente viagem à Itália e nas sugestões dos próprios clientes. Uma das novidades é a introdução da massa integral, que pode substituir qualquer outra massa do cardápio. É isso aí: um olho na franquia e o outro na alimentação saudável, hehe.


[Tortelli de Carne da degustação]


Provei as Bruschettas de Bacalhau e Pizzaiola. A primeira achei genial, e com um 'azeitezinho' por cima ficou incrível. Depois provei o Tortelli de Carne com Molho de Queijo, onde pude constatar a diferença entre uma franquia de massas e uma de gastronomia. Essa é a filosofia da rede, vender conceitos, gastronomia, não apenas comida. Achei excelente, o ponto da massa, a carne saborosa do recheio e o molho leve, apenas ressaltando o sabor do prato.


[Porção de degustação do Risotto]


Por fim provei o Risotto com Ragú de Pato e Linguiça com Geléia de Laranja: o sabor forte das carnes envolvido pelo doce da geléia ficou perfeito, ainda mais acompanhado por um tinto encorpado, como sugere o cardápio. Achei isso genial, todos os pratos vêm com legendas com indicação de vinho, tudo muito simples: TE (tinto encorpado), BL (branco leve) ou ES (espumante). Praticidade e conforto ao alcance da mão. Mas não provei nenhuma sobremesa, tive que sair correndo pro jornal antes que um temporal caísse em Moema.

Além do novo cardápio, a rede também está com a promoção "Turismo Gastronômico" que irá premiar os freqüentadores com uma viagem a Roma. De 26 de março a 13 de maio, os clientes receberão um cupom com a seguinte pergunta: "Por que o La Pasta Gialla faz você se sentir na Itália?". O autor da melhor frase será premiado com passagem e hospedagem de cinco dias no Domus Roma Hotel y Residência. O resultado da promoção será divulgado em maio. Informações e endereços, clique aqui.

Escrito por Marcelo Katsuki às 09h15

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bruschetta de Bacalhau

E pra quem gostou do menu mas não tem como ir lá provar, segue a receita da bruschetta, gentilmente cedida pela rede.



Bruschetta de Bacalhau
Tempo de Preparo: 3 minutos
Rendimento: 1 porção

- 1 fatia de pão italiano
- 2 colheres de sopa de azeite
- 5g de alho
- 1 cebola picada
- 100g de bacalhau desfiado e dessalgado
- 2 ovos
- Salsinha
- Batata palha a gosto

Modo de Preparo:
Refogue o alho no azeite, em seguida a cebola. Junte o bacalhau desfiado, os dois ovos batidos e mexa rapidamente acrescentando metade da batata palha. Desligue o fogo e reserve. Passe o alho crú no pão da bruschetta e em seguida coloque o creme de bacalhau. Sobre o bacalhau salpique o restante da batata palha. Decore e sirva. Eu provei e aprovei!!!

Escrito por Marcelo Katsuki às 09h08

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Rápidas



A Di Cunto (Rua Borges de Figueiredo, 61 - Tel: 11-6292-7522), tradicional confeitaria de São Paulo, lançou uma novidade para essa Páscoa: o Bolo em formato de ovo de Páscoa, em quatro versões: Fiance com cobertura de marzipan, recheado com nozes e ameixa ou com damasco e nozes (R$ 61,00/kg); Prestígio com chocolate e recheio de côco (R$ 70,00/kg) e Trufa com chocolate e recheio trufado (R$ 70,00/kg). O de marzipan está de matar, fala sério!






Acontece amanhã, quarta-feira, o lançamento do livro Tudo Acaba em Festa (112 pags, R$ 24,90) da Doutora em Comunicação Cristina Giácomo a partir das 18h30 na Livraria Cultura (Av. Paulista, 2.073 - Conjunto Nacional - Tel: 11-3170-4033). A edição atualizada amplia a discussão sobre todo tipo de evento, desde o planejamento até a legislação e discute a reserva de mercado na área de relações públicas. Indicado para estudantes e profissionais, o livro aborda o tema 'eventos' de forma leve e agradável, ilustrado por situações do dia a dia.






O Empório Siriuba (Al. Franca, 1590 - Jardins - Tel: 11-3081-4303 ) inicia um ciclo de palestras mensais, o "Circuito Sabor e Saúde" neste sábado, dia 31 de março às 11h. Coordenado por Alexandre Feldman – o “Dr. Enxaqueca” – o projeto englobará orgânicos, alimentação funcional e medicina do estilo de vida, e o melhor: a entrada é gratuita! Cenia Salles e o Chef Renato Caleffi (foto) também participam dos bate-papos com o público. As próximas datas são: 14/4, 5/5, 2/6 e 7/7.




E para finalizar essa agendinha, uma receita de salada para refrescar suas idéias (e aliviar na balança) enviada pela Sagatiba.



Salada de folhas com vagem e dip de roquefort com Sagatiba Velha

Ingredientes
300 g de vagem macarrão
10 cebolinhas francesas
200 g de queijo roquefort
60 ml de Sagatiba Velha
1/2 xíc. (chá) de creme de leite fresco
Folhas da estação

Limpe as vagens e cozinhe em água fervente com sal até que fiquem macias. Coloque as cebolinhas na mesma água até que amoleçam. Aqueça uma panelinha e adicione a Sagatiba Velha e flambe. Adicione o queijo picado e o creme de leite e cozinhe até que forme um creme homogêneo. Acondicione as folhas nos pratos. Faça feixes de vagem e amarre com um nó de cebolinha. Coloque o creme de queijo em um potinho e o feixe de vagem sobre o pote. Rende 4 porções, é fácil, tem bela apresentação e cai bem com esse calor todo que tem feito!

Escrito por Marcelo Katsuki às 12h40

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Temporada mineira no All Seasons


[Os Chefs Christophe Besse, Tereza Paim, Monica Rangel e Marc Gonzales]


No sábado, antes do pesadelo da pintura dos ovos lá em casa fui para um almoço no All Seasons que está recebendo a Chef Monica Rangel do aclamado restaurante "Gosto com Gosto" de Visconde de Mauá, onde ela realiza sua cozinha mineira contemporânea que lhe rendeu notoriedade. Além dela, a Chef Tereza Paim, do "Bistro Café Café" de Salvador, também veio reforçar a equipe, recebidas pelo Chef 'residente' Christophe Besse.

O All Seasons já é uma atração pelo espaço com pé direito altíssimo no saguão do Paulista Plaza. Em dias ensolarados como no sábado então é show. O bufê é farto com muitas opções de saladas e sobremesas e ainda há mini acarajés, caldinhos, tapiocas, sem falar da ótima música ao vivo que dá o toque 'brasileirinho' ao evento. Dá vontade de sair dançando e tem até quem ensaie alguns passinhos mesmo, dada a descontração do ambiente.



Com tantas opções no bufê, procurei me manter focado nas especialidades da chef convidada e comecei com uma refrescante Salada de Feijão Fradinho seguida por outra salada, esta de Polvo com Ervas, uma das minhas perdições. Como era sábado, havia ainda uma feijoada completa e acabei provando o caldinho de feijão com alguns torresminhos, esse não deu para resistir.



Depois montei meu menu de degustação pessoal com um prato que incluía Frango com Quiabo, Feijão Tropeiro e Tilápia com Crosta de Ervas e Purê de Inhame. A montagem da 'cama' de purê foi um capricho pessoal mas confesso que me divirto brincando de montar pratos. E o purê estava excelente, pra mim a melhor forma de se aproveitar o inhame, já que cozido em fatias às vezes pode ficar meio seco.



As sobremesas estavam um show à parte. Gosto mais de ficar admirando e agora sei que há um chef pâtissier responsável, o Marc Gonzalez que manda muito bem! Mas dessa vez dei vexame e fui até o balcão me deliciar umas 3 vezes. Ou foram 4? Fiquei fã da Compota de Limão com Doce de leite e da Fantasia de Banana, uma taça com doce de banana, uma massinha leve como um pão-de-ló, chocolate e suspiro. O Pudim de Queijo de Cabra com Calda de Goiaba também era pra se comer ajoelhado! Ah, não posso me esquecer da Cocada Cremosa, que me fez lembrar da minha receita de cocada de côco verde, que qualquer dia posto aqui.

O festival com a Chef Monica Rangel deve durar seis meses e o preço é de R$ 64,00. O All Seasons fica na Al. Santos, 85, Paraíso e o telefone é 11-3177-0436.

Escrito por Marcelo Katsuki às 09h39

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Essa garrafa tem dono!



Seu nome na garrafa. Não, não é aquela garrafa de uísque de bar japonês! Aliás, vocês já devem ter reparado que em muitos bares japas as garrafas têm o nome do dono escrito no rótulo? Tipo 'crube do uísque'. Eu mesmo já tive um no 'bar da japonesa que grita' (apelido que deram pro Waka, aih aih...) e outro na casa de um amigo que não bebia então tinha que deixar uma garrafa lá, devidamente 'nomeada'. Mas parei com a prática depois que ele começou a tomar gosto pelas biritas, era um preju só.

Pois agora você já pode ostentar no bar da sua casa uma garrafa de Johnny Walker Black Label com seu nominho impresso no rótulo dourado! A ação promovida pela Keep Walking Club vai até o dia 8 de abril nas lojas listadas abaixo e a impressão acontece no momento da compra. Basta você se inscrever no Club, os formulários estão nas lojas. Edição exclusivíssima!!!

São Paulo/SP: Empório Frei Caneca - Tel.: 3472 2082; Lisboa - Tel.: 6197 4888; Empório Santa Maria - Tel.:3706 5266; Empório VIP - Tel.: 5051 2270; Net Drinks - Tel.: 3032 5888; MetaPunto - Tel.: 3229 7604 | Mogi das Cruzes/SP: Offer Import - Rua Coronel Souza Franco, 788 | Brasília/DF: Casa Ouro - Tel.: (61) 9981 2201; Super Adega - Tel.: (61) 337 9000 | Rio de Janeiro/RJ: Brindatto - Tel.: (21) 3325 9296

Escrito por Marcelo Katsuki às 23h15

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Curso de vinho para principiantes

Curso de vinho para principiantes



A Confraria Queijo e Vinho está oferecendo um curso básico, "As Diferentes Faces do Vinho" em 2 aulas onde você aprenderá sobre as uvas, os princípios da degustação até as harmonizações com pratos, tão em evidência hoje em dia. Um curso descomplicado, descontraído e com apostila por R$ 195,00.

As aulas serão ministradas pelo sommelier Manuel Luz, Coordenador do Departamento de Sommeliers Profissionais da ABS-SP, com aulas nos dias 19 e 26 de abril, sempre às 20h. Em cada aula haverá degustação de 5 vinhos. Já há uma turma em andamento com a próxima aula marcada para o dia 29 de março.

Confraria Queijo & Vinho
Av. Dr. Arnaldo, 1318 - Sumaré/São Paulo
Tel: 11-3873-3179
Informações das 14hrs às 22hrs com Margarida ou Mateus

Escrito por Marcelo Katsuki às 15h38

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Evento | PermalinkPermalink #

Boteco em casa



E continua o 'soft opening' lá em casa! No sábado rolou uma 'reunião de bambas' com muita breja e petiscos de bar. Chamei os amigos com que costumo dividir uma mesa, banquinho ou mesmo o meio-fio lá na Dida para praticar nosso esporte favorito: beber e falar da vida alheia, de preferência sobre gente que nem conhecemos, kkkkk!

Pensando no clima de mesa de bar - que é como a minha sala está ficando, diga-se de passagem - preparei um menu temático: amendoim, batatinhas, 'ovo de jerico', caldinho de feijão, salaminho, provolone e até porções de calabreza acebolada, preparadas ao longo da noite na panela elétrica comprada em um programa de TV, num ímpeto da madrugada movido por alguns drinques. Para beber, cerveja super gelada e uma boa cachaça. Uma não, duas: uma Tulha Prata para caipirinhas e uma Ouro, pra tomar pura mesmo. Conheci essa cachaça paulista num evento da Boa Mesa há dois anos e adotei, coisa fina!

Eu sempre me divirto pensando no cardápio, preparando algumas comidas, mas dessa vez me atrapalhei todo para fazer uma coisa tão simples: ovos coloridos. Li recentemente que poderia usar beterraba para um efeito rosado, casca de cebolas para ficar amarelo mas deparei com vidrinhos de corantes na loja de salgadinhos e não resisti: comprei um verde, um amarelo e um pink, crente que estava arrasando.



Voltei do almoço do festival da Chef Monica Rangel no All Seasons e fui preparar os ovos. Diluí as tinturas, daí percebi que eram de 3 marcas diferentes com resultados também distintos. O verde criou um efeito marmorizado, todo irregular; o amarelo não tingiu mesmo usando todo o tubo e tive que recorrer à casca de cebola (que funciona mesmo!) e o pink, com poucas gotas pintou os ovos, o fogão, a pia e minhas mãos. Resultado: nem lavando com álcool consegui tirar a cor e recebi o pessoal com a mão no bolso.

Se fosse só esse o problema... o fato é que cozinhei 30 ovos mas só comeram um. E agora tô com a geladeira lotada de ovos... coloridos! Alguma receita legal que utilize ovos cozidos? Só não vale maionese de batata e nem farofa, porque esses já fiz ontem (e não quero ver pela frente tão cedo!). Quem sabe uma 'dieta do ovo'? Talvez dê para congelar também...

Escrito por Marcelo Katsuki às 00h06

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Supra: superlativo

Supra: superlativo

Meu domingo passado começou com 2 mini pizzas, uma xícara de Nescafé (o pó acabou!) e uma roupa equivocadamente quente para quase duas horas de missa na Paróquia Assunção de N. Senhora, ali na Lorena. 'Jisuis', que calor!!! Saí da missa com dor de cabeça e um ligeiro mal estar. A última coisa em que pensaria naquele momento seria comer, mas havia marcado um almoço no Supra e segui para lá meio contrariado.



Chegando ao restaurante, fui me recompondo à medida em que observava todo aquele ritual que envolve uma cerimônia tão simples como comer, mas com todos aqueles detalhes que quando em harmonia, podem fazer desse simples ato um evento estimulante. Olhei ao redor.

A mesa sob a clarabóia opaca de luz natural e coberta por folhas, o barulhinho bom de água caindo no laguinho, ar condicionado fresquinho e um copo de água com gás me fizeram firmar os pés no chão. Mas a cabeça - sempre meio avoada - já estava nas estrelas diante da leitura do apetitoso cardápio, da carta de vinhos e da visão do desfile de bandejas de massa fresquíssima pelo salão. Coisas de 'gastro victim', se é que isso quer dizer alguma coisa, hehe...



Meu amigo, o sr. Rabelo, havia me indicado o restaurante e falado maravilhas sobre o lugar. E agora com as massas sendo cilindradas e recheadas apenas após o pedido (mais fresca impossível), ficara irresistível. A seleção do menu de degustação parecia escolhida a dedo para o meu gosto. Combinações inusitadas mesclavam abóbora, biscoitos de Amaretto, mostardas de frutas. Quando vi, já estava curtindo demais estar ali.


[A massa é confeccionada após o pedido e apresentada ao cliente para apreciação]


Assim que chegou a cestinha de pães - todos quentíssimos e embrulhados em um lenço - acompanhada por queijo e legumes marinados, além de uma deliciosa manteiga temperada com sal de Guérande, achei que podia ficar só naquilo mesmo. Tudo perfeito, de uma qualidade impressionante. O sabor do pãozinho de queijo, a crocância dos grissinis, a manteiga derretedo nas fatias de pãozinho quente, tudo tão saboroso.



O primeiro prato (assim como todos os seguintes) veio até a nossa mesa cru, para que pudéssemos comprovar a massa fresca, recém-recheada. Era um "Panzoti di Gamberi e Porò al Pomodoro Piccante", uma massa recheada de camarão e alho poró com um molho de tomate condimentado que complementava o prato com perfeição. Meio picante, sabores marcantes valorizando os ingredientes, preciso.



Na seqüência, um "Fagotti di Brie alla Pera e Vinsanto", uma massinha levíssima com um recheio de queijo Brie quase líquido, temperada com manteiga, Grana Padano e Vinsanto, finalizado com brunoise (cubinhos) de pêra. Fui mordiscando cada 'pacotinho', que estourava na boca e deixava o líquido deslizar pela língua revelando todos os sabores daquela preciosidade.



O terceiro prato era "Tortelli Mantovani di Zucca", massa recheada com abóbora, biscoito amaretto, Grana Padano e mostarda de frutas de Cremona salpicada de amêndoas tostadas. Combinação perfeita, sabores balanceados, um pouco doce, intenso, quase inesperado. A redenção.



O quarto prato trazia "Tortelli di Baccalà e Bottarga" massa recheada com bacalhau Gadus Morhua e botarga dourada de tainha ao molho cremoso de ovas negras de bottarga do mediterrâneo e Noilly Pratt, aquele vermuth seco usado no Dry Martini. Sabor mais intenso, fechava a seqüência de massas frescas antes do secondi piatti, "Il Nostro Capretto", um cabritinho de leite assado em dois tempos servido em molho de vitelo e cachaça acompanhado de banana-ouro e alho assados. Tão macio que desfiava no garfo e quase derretia na boca.





De sobremesa provei a "Panna Cotta al Caramelo Rosso", com o marcante perfume de baunilha contrastando com o azedinhos das raspas de limão siciliano e do caramelo de frutas vermelhas. Provei também o "Semifreddo di Miele all'Arancio", sobremesa que lembra um sorvete porém mais macio com um sabor forte de mel de laranjeira e caramelo de frutas. Imperdível para quem gosta de mel.



O cafezinho vem em xícaras antigas e diferentes, o que dá um toque especial, além de gostosos petit-fours. Esse detalhe me fez lembrar na hora de um restaurante argentino que eu adorava, o Catalinas, que infelizmente não existe mais. Tenho uma foto linda do majestoso interior do restaurante comigo sorridente em primeiro plano escancarando uma dentadura preta de trufa amassada com a língua contrastando com o lustre veneziano do século XIV, um horror. Culpa do delicioso vinho argentino servido 'com generosidade' nos almoços que fiz por lá a um custo também generoso.

Digressões à parte, o Supra oferece os menus de degustação com três pratos a R$ 92,00 ou com cinco pratos a R$ 117,20. Mas há opções à la carte como a "Polenta com Misto de Funghi" a R$ 21,80. Mas se você gostar de massas como eu, não deve deixar de provar as massas fresquíssimas da casa. Tenho certeza de que você vai se surpreender.


[O Chef Mauro Maia]


Restaurante Supra
Rua Araçari, 260 - Itaim - S.Paulo/SP
Tel: 11-3071-1818

Escrito por Marcelo Katsuki às 20h51

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Lugares | PermalinkPermalink #

Vinhos argentinos: Alta Vista

Vinhos argentinos: Alta Vista



Na quarta aconteceu no Capim Santo a Roda Vinho com Benoît Berneron, diretor da Alta Vista, uma produtora de vinhos argentina. A idéia do encontro era compor uma mesa redonda para discutir as perspectivas do vinho argentino no mercado internacional. Poderia ter sido um evento sisudo e entediante mas acabou sendo engraçado e instrutivo graças à informalidade da 'mesa'. Dos divertidos comentários do Luli Dias (da Épice Importadora) à apresentação precisa do diretor da vinícola, sr. Benoît até as intervenções pertinentes das sommelières Eliana Araújo e Carina Cooper, tudo contribuiu para uma noite agradável.


[Benoît em ação]


Degustamos um branco (Torrontes) e quatro tintos (um Premium Malbec, outro Premium Cabernet Sauvignon, um Grande Reserve Terroir Selection Malbec e um Alto 2004, top de linha. O que mais me agradou foi o Grande Reserve (felizmente nem sempre a gente gosta do mais caro, hehe), pois era um vinho redondíssimo, uma seleção de Malbec de 4 terroirs de Mendoza que resultou em um vinho equilibrado e pronto para o consumo.



O Torrontés tem uma história interessante. Ele é o vinho branco símbolo da Argentina (ou pelo menos querem transformá-lo) mas seu consumo interno ainda gera reservas pois ele era um vinho mais escuro e doce. As vinícolas estão mudando essa imagem e conseguindo boa aceitação internacional, mesmo na Europa. A idéia é que ele seja tão representativo do país como é o Malbec, no caso dos tintos. Achei o vinho muito equilibrado: a acidez é contrabalanceada pelo alto teor alcóolico criando uma agradável sensação de leveza. É bem seco e possui um bouquet floral suave e refrescante que deixa um leve rastro de amargor no final. E é ideal para acompanhar pratos condimentados e picantes, segundo Benoît.



Os vinhos foram harmonizados com um menu elaborado pela chef Morena Leite, que incluía uma Salada de Folhas com um Fagottini assado de queijo, um Filé de linguado com um incrível Petit Gateau de Banana da Terra e um Filé com Queijo de Coalho grelhado com Pupunha. Pena que o evento se estendeu até tão tarde, acabei partindo antes da sobremesa...



Enogafes
A expressão (e o terror) de todo sommelier. Algumas enogafes? Pedir um tinto carésimo e depois solicitar 'adoçante' ao garçom. Acredite, isso acontece, e tem quem ainda peça açúcar mesmo! 'Cliente-filtrado doce', pergunte para a sommelier!

Custo-benefício
Parece ser uma especialidade dos vinhos argentinos. Bom custo, bons vinhos, tô embarcando nessa. Os preços sugeridos desses exemplares ao mercado brasileiro variam de R$ 27,00 (Torrontes) a R$ 70,00 (Grande Reserve). O mais caro é o Alto, a R$ 220,00, mas esse já é top de linha.

Objeto do desejo
Alguém reparou na luminária? Toda feita de talheres presos a um disco cromado e 4 lâmpadas Balloon. Desde já o meu sonho de consumo para a sala de jantar lá de casa. Agora só falta trocar a mesa, as cadeiras, o aparador...

Escrito por Marcelo Katsuki às 10h09

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Bebes | PermalinkPermalink #

Mai Thai, do outro mundo!

Mai Thai, do outro mundo!



E atendendo ao pedido da Claudia (nos comentários), segue a receita de Mai Thai. A origem da bebida é controversa, o que se sabe é que seu nome veio da expressão de um cliente taitiano que provou o drinque e exclamou: "Mai thai!", que quer dizer algo como "muito bom" ou "do outro mundo!".

Seja lá como for, comemorei meu aniversário há dois anos atrás com uma "pitcher party": várias jarras de drinques em sistema self-service para agilizar, onde uma das jarras era só de Mai Thai. Como a bebida é muito gostosa, perfumada e ligeiramente doce, a bartender ficou quase louca para repor o Mai Thai e as pessoas se jogaram de uma tal maneira que a maioria nem se lembra de como a festa acabou. Acho que nem eu, uih...

Mai Thai
- 2 partes de rum Bacardi prata
- 1 parte de triple sec
- 1 parte de suco (abacaxi)
- 1/2 parte de Amaretto
- 1/2 parte de rum Bacardi Black
- suco de 1/2 limão
- ramos de hortelã
- 1 fatia de laranja
- 1 cereja
- gelo

Modo de fazer:
Coloque o gelo em um copo longo, acrescente as bebidas (exceto o Bacardi Black) e misture com uma colher bailarina. Decore com o ramo de hortelã, a laranja e a cereja espetada em um palito e finalize adicionando o rum escuro, que não deve ser misturado, para aromatizar o drinque.

Escrito por Marcelo Katsuki às 12h42

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Bebes | PermalinkPermalink #

Curso de Menu de Páscoa no Mercadão



Quer fazer um curso na semana que vem para aprender a preparar pratos para a Semana Santa? O custo é de apenas uma lata de leite em pó, que será doado para a "Casa Lar Novo Mundo" (que abriga crianças de 0 a 15 anos em São Paulo) e o evento será no incrível espaço do Mercadão. Aproveite depois para visitar as barracas de produtos e comprar o bacalhau e o azeite por lá, é sempre mais em conta.

As aulas serão ministradas pelos alunos do Curso de Gestão em Gastronomia da UNIP na "Cozinha Especial da GE" no Mezanino do Mercadão, de 26 a 30 de março (segunda a sexta), 14 às 16h. Inscrições: contato@chefcarlosribeiro.com (deve informar o nome completo, RG, telefone para contato, data e dia da semana de preferência). O endereço do Mercado Municipal é Rua da Cantareira, nº 306 - Parque Dom Pedro II.

Escrito por Marcelo Katsuki às 08h12

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

The Hand Roll Temakeria

The Hand Roll Temakeria



Meus problemas acabaram! Dei uma rápida passada na segunda à noite na nova 'temakeria' que abriu aqui pertinho de casa. Chama-se The Hand Roll e é uma simpática lojinha ao lado do velho conhecido Halim, com decoração bem despojada, poucas mesas e um agradável balcão onde você pode degustar os temakis observando o trabalho do sushiman. A casa trabalha com sistema de comanda, o que agiliza os pedidos e facilita o pagamento, que deve ser feito diretamente no caixa.

Provei o Salmão Hand Roll, salmão picadinho com gengibre, cebolinha, ovas de tobiko (peixe voador) e maionese (R$ 7,90) e arrematei também um Atum Hand Roll, atum batidinho com cebolinha, gengibre, ovas de arenke e folhas de shissô (R$ 8,90). Ah, e um denso Missoshiru a R$ 2,00.

Fiquei curioso para conhecer os temakis doces, como o de Morango e chocolate e o Romeu e Julieta: arroz adocicado envolto em folha de tapioca (R$ 6,90 cada), mas tive que deixar pra próxima, afinal, pra que acabar com a novidade numa só tacada?

Ótimo point para a moçada com ambiente descontraído, música e bebidas com preços convidativos: refrigerante a R$ 2,20 e cervejas a R$ 3,10. E até maio rola a "Promoção é 10": junte 10 cupons que acompanham os temakis e troque por outro.

A temakeria abre de segunda a sábado, das 11h às 22h. Em breve vai oferecer combinados de sushi/sashimi no almoço, mas ainda não faz entregas. É só aguardar.

The Hand Roll Temakeria
Rua Dr. Rafael de Barros, 46 - Paraíso - S.Paulo
Tel: 11-3559-7777

Escrito por Marcelo Katsuki às 09h31

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Lugares | PermalinkPermalink #

Ovo de colher



E depois do 'brigadeiro de colher' chega o ovo de colher, recheado de Nutella! Pois é, não basta ser ovo, tem que vir recheado (tendência?) e de Nutella! Dava para inventar coisa mais tentadora? Novidade da La Vie en Douce, a casa mais doce da Consolação (Rua da Consolação 3161, tel: 11-3088-7172 - S.Paulo).

Além do recheio de Nutella, a meia banda de ovo vem com cobertura de chocolate salpicada de avelãs. E o apelo se completa com a simpática colher na cor da marca (laranja) que vem amarrada com um cartão. 600 gramas de inspiração por R$ 69,00 de transpiração.

Escrito por Marcelo Katsuki às 08h33

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Boeuf Bourguignonne: francês à americana

Depois da semana estressante, nada de preguiça no sábado! Convidei alguns amigos para um jantar em casa, bem avonts (à americana), mas queria fazer um prato francês e optei pelo Boeuf Bourguignonne, mais difícil de escrever do que de fazer, hehe! Quer conferir?



Boeuf Bourguignonne
- Deixe marinar (no mínimo por 3 horas) 1kg de alcatra em cubos em 2 xíc. de vinho tinto, um punhado de tomilho, 1 folha de louro, salsinha picada, 1/2 xíc. de azeite, sal e pimenta (a gosto).
- Frite 100g de toucinho defumado picado e doure 200g de cebolas pequenas. Salteie também 200g de cogumelo Paris e reserve.
- Frite a carne aos poucos (basta 'selar) adicionando um pouco de farinha. Volte tudo à panela, junte a marinada e um dente de alho descascado. Junte 1/2 litro de caldo de carne e cozinhe por 2 horas em fogo baixo bem tampado para não sair o vapor. Se o molho secar, vá adicionando mais caldo de carne.
- Junte as cebolas, o toucinho e o cogumelo e reduza o molho por mais meia hora. Voilà! Você não vai acreditar no perfume que exala esse prato! Originalmente ele é servida com fatias de pão, mas esse molho todo bem que pede um cremoso purê de batatas, certo?


[Ingredientes para o preparo do Boeuf Bourguignonne]

Escrito por Marcelo Katsuki às 10h32

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Friccò: 10 anos de pratos memoráveis



Nem a tempestade que parou a cidade na sexta-feira me impediu de ir jantar no Friccò. Afinal, a casa está completando 10 anos e criou um cardápio especial para celebrar a data com todos os pratos que fizeram sua fama nessa trajetória. Mas não fui o único obstinado: pouco tempo após a minha chegada, a casa já estava lotada, inclusive na espera. Pensei: "o que faria essas pessoas todas deixarem o conforto de suas casas nesse dia de dilúvio?".


[Uma adega cheia de boas opções e custo acessível]


Talvez a fama de 'bom e barato' já alardeada pela coluna do Josimar ou ainda aquela inesquecível foto do 'Raviolo ao contrário' que saiu na Vejinha e que me 'perseguiu' por meses. Bem, antes de começar a degustação fui conhecer a adega, orgulho do proprietário, o chef Sauro Scarabotta, repleta de vinhos - em sua maioria italianos - a ótimos preços, inclusive muitas meias garrafas. Só para acompanhar as sobremesas são mais de 40 rótulos!

O salão do Friccò lembra um grande estar, com mesas de tamanhos variados e um palco ao fundo que abriga uma cozinha aberta onde são preparadas as massas frescas no almoço. E para poder fazer uma viagem pelo cardápio 'histórico' da casa, solicitei ao chef um menu de degustação selecionado pelo próprio sem sugerir nada (quase um omakassê à italiana, hehe. Aih, como eu gosto de inventar moda...). O que se viu a seguir foi uma seqüência interminável de pratinhos muito bem executados, onde os sabores essenciais (alecrim, manjericão, tomate) eram evidenciados em preparos concisos, o que evidencia uma cozinha competente que valorizava o sabor natural dos alimentos. Foram tantos pratos que pensei em selecionar apenas alguns, mas depois voltei atrás: "pra que desperdiçar tantas imagens boas, as pessoas já me chamam de comilão mesmo...". Bom apetite.


[Carpaccio ítalo brasileiro, com couve finamente picada de surpresa]



[Creme de abóbora com gorgonzola e escarola]



[o Raviolone da D.Marisa, hit da casa, recheado com Brie e berinjela]



[Penne alla Norcina, com lingüiça e brócolis]



[Gnocchi com pesto de rúcula, tomate e mussarela de búfala]



[Friccò de frango com parafuso e pesto de manjericão.
O prato que dá nome à casa é típico da região onde nasceu Sauro (Umbria) e trata-se de um frango preparado com molho de tomate, vinho e especiarias.]



[o Raviolo ao contrário em versão mini: ficou ainda mais bonito!]



[Carré de cordeiro, com risoto de berinjela e tomate]



[De sobremesa, a exótica Abóbora Thai: cabotchá japonesa recheada com um denso manjar de coco, fatiada]


E depois de concluir essa refeição com prazer tive duas certezas: o apelo sentimental da comida (assim como do ambiente) é inegável pois os pratos sugerem memórias afetivas, como se você estivesse num almoço de família. Os aromas, a apresentação, a música que envolve o ambiente com delicadeza e descontração... O segundo fator é o incansável chef Sauro, que recebe, leva as pessoas à mesa, tira pedidos, serve pratos, orienta o vinho, como um velho amigo que recebe em casa sem medir esforços e gentilezas para que você se sinta bem. Tão bem que todas aquelas pessoas se aventuraram numa noite chuvosa e caótica para ter o prazer de jantar - e se reconfortar - ali, na casa do Sauro.


[O onipresente chef Sauro Scarabotta]


Friccò
R. Cubatão, 837 Paraíso - São Paulo/SP
Tel: 11-5084-0480
Aproveita que o festival vai só até esse domingo!

Escrito por Marcelo Katsuki às 10h10

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sushi or not sushi?

Sushi or not sushi?



Enquanto o polêmico certificado de autenticidade de comida e serviço dos restaurantes japoneses não desembarca por aqui, a Fundação Japão prossegue com sua série "Saberes dos Sabores", dessa vez reunindo chefs conceituados para uma conversa sobre os temperos e os mistérios da culinária tradicional e moderna do Japão no evento "Diálogo entre 3 Chefs". A conversa acontece nessa quinta-feira, dia 22, e reunirá os chefs Tsuyoshi Murakami, Adriano Kanashiro e Carlos Ribeiro (mediador) e é parte do projeto iniciado em 2006 e que já teve palestras de Arnaldo Lorençato, da especialista em etiqueta japonesa Lumi Toyoda e do antropólogo Koichi Mori.

Temas quentíssimos como as releituras híbridas da culinária tradicional japonesa - que culminaram com a discussão sobre a criação do selo de autenticidade - e os métodos e principais segredos dos chefs devem estar na pauta. Além das histórias pessoais de cada um, já que cada chef teve uma trajetória bem peculiar.

Murakami nasceu no Japão mas cresceu no Rio e rodou a Europa cozinhando até em restaurantes italianos antes de fazer fama como chef do Kinoshita, onde exercitava toda a sua criatividade. Adriano Kanashiro veio do Paraná para aprender a fazer sushi na Liberdade e num curto prazo de quatro meses passou de auxiliar de peixeiro a sushiman - hoje é chef do aclamado Kinu onde cria ousadas e sabororas combinações. E Carlos Ribeiro veio da Paraíba para fazer pós na USP mas acabou visitando o Japão duas vezes para ministrar palestras sobre hibridismo e comensalidade. Hoje leciona gastronomia na Unip, além de ser chef da Mamarana Cucina Italiana. Não dá pra perder! Corre porque o evento é gratuito mas as vagas são limitadas!


[Os Chefs Carlos Ribeiro, Adriano Kanashiro e Tsuyoshi Murakami]


Diálogo entre 3 Chefs
Data: 22 de março de 2007 (quinta) - 19h30
Local: Espaço Cultural Fundação Japão - Av. Paulista, 37, 1º andar
Inscrições pelo e-mail info@fjsp.org.br

Escrito por Marcelo Katsuki às 16h35

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Evento | PermalinkPermalink #

Workshop Thai

Workshop Thai



Na sexta caí da cama e corri pro Blue Tree da Faria Lima para uma aula sobre comida tailandesa com chefs daquele país em visita ao Brasil. Na platéia, chefs da rede Noah, alunos de gastronomia do Senac, alguns restauranteurs especializados e a presidente da rede Blue Tree, sra. Chieko Aoki.



O calor que fazia estava bem adequado ao tema e nada me desanimaria naquele momento! O convite era para aprender um dos meus pratos favoritos: Pad Thai Noodle, o tradicional macarrão tailandês meio doce, meio picante, meio acre, meio salgado, enfim, todos os sabores num prato só. Eu sempre brinco que para saber se um 'tailandês' é bom, é só provar o Pad Thai primeiro. É tiro certo!


[Sra. Tasanai Phian-O-Pas, proprietária do Thai Gardens, Sra. Siree Bunnag, embaixadora da Tailândia no Brasil, Sr. Thanatip Upatising, chefe da delegação Tailandesa e Sra. Chieko Aoki, presidente da rede Blue Tree Hotels e da rede de restaurantes Noah]


Os chefs tailandeses prepararam mais 2 pratos: "Kaeng Keaw Wan Nuea", um curry verde com tiras de filé e berinjela super picante e "Sa Ku Peak Ma Proa", um pudim de tapioca com castanha. Todas as minhas atenções ficaram voltadas para o Paad Thai, claro. Afinal, ganhei a receita mas vi que o bom é ver como os chefs fazem. Sempre ocorre algum imprevisto na execução e cada um faz à sua moda. A minha agora é a mais autêntica possível, quero ver algum amigo reclamar, hehe.


[Ingredientes do Pad Thai]


Pad Thai Noodle

- Deixe 250g de talharim de arroz (pad thai) em água morna por 20 min. Ele deve ficar como uma tira de borracha, meio dura mesmo.
- Numa wok, salteio 1 colher de sobremesa de alho picado com 100g de camarão descascado e sal. Reserve.
- Na mesma panela, frite 1 colher de sobremesa de alho picado e uma de cebola picada.
- Junte o macarrão e o molho (feito com 1 colher de sopa de açúcar, 2 colheres de pasta de tamarindo e 2 colheres de molho de peixe - Nampla) e vá adicionando água aos poucos (colheradas) até o macarrão amolecer (10 min)
- Junte o macarrão em um canto da wok e no outro adicione óleo e faça 4 ovos mexidos. Agregue ao macarrão.
- Adicine 300g de broto de feijão e 50g de nirá (cebolinha selvagem) ou cebolinha mesmo, jogue mais água e cozinhe por aproximadamente 3 min.
- Misture os camarões salteados, tempere com 1 colher de açúcar, pimenta em pó e 50g de amendoim torrado picado e sirva decorado com broto de feijão cru e fatias de limão.



Parece complicado, mas tudo vale a pena pelo prazer de saborear esse prato. Os ingredientes aqui em São Paulo podem ser encontrados na Liberdade ou no Santa Luzia, que tem uma gôndola cheia de produtos tailandeses (minha perdição quando vou lá!).

Escrito por Marcelo Katsuki às 16h20

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Comes | PermalinkPermalink #

Bate A Chapa!

Bate A Chapa!


[É mini, viu!!!]


Na quarta-feira fui à inauguração da 'loja conceito' da lanchonete A Chapa só para fotografar o "Oreo Shake" (sorvete de creme batido com leite e biscoitos Oreo), para mim uma das 7 maravilhas do mundo gastronômico. E olha que eu saí do jornal com febre, a garganta travada e o estômago perfurado por dois antiinflamatórios e um antibiótico. Tudo porque eu queria muito uma foto do shake aqui! Obsessivo?

Foi fácil localizar a casa na Melo Alves nº 238: bastou seguir o canhão de luz (a la Gothan City) e parar o carro depois do Balcão. Encontrar um amigo na multidão também foi tranqüilo, né Claudio? O duro foi ouvir do garçom que não tinha Oreo Shake (afinal era uma festa) mas que eu poderia "me servir dos espumantes", aih aih aih, e eu sem poder beber!!!


[O confortável e amplo balcão da nova casa]


Sentei num cantinho, pedi um mini baconburguer com fritas para fazer uma 'fotinha' e saltar fora, mas quando o sanduba chegou... 'Bati a chapa', mordi uma batatinha e quando vi, já estava com o hambúrguer inteiro dentro do estômado. Avestruz!!! E dá para resistir?...

O hambúrguer d'A Chapa é um dos melhores - e mais tradicionais - da cidade. Carne saborosa e no ponto, pão firme mas macio e fritas sempre sequinhas. Para minha felicidade (e perdição) tem um delivery no quarteirão de casa. Vou lá e faço o pedido no balcão, atravesso a rua para comprar sucos e algumas frutas no HortiMais e depois volto para pegar a encomenda. Uma beleza! Mas agora vou ter que voltar lá na 'loja conceito' só pra fotografar o "Oreo Shake" devidamente servido na taça. Mas ele merece, é bom demais!!!

P.S. Esse post acabou me inspirando uma rápida enquete. Quais as 7 maravilhas do mundo gastronômico? Tem tanta coisa boa por aí, né? Conte ao menos uma, vai!!!

Escrito por Marcelo Katsuki às 02h23

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Lugares | PermalinkPermalink #

Um canapé de '9 conto'



Esse dava até pra fazer com o vale-refeição do pessoal do "Vale9conto"! No finde ia receber uma galera em casa pra comer sushi e provar uma receita de penne oriental (na verdade uma festinha em homenagem ao Bruno Albertim), quando me deparei com a velha dúvida: "será que a comida vai dar?". É sempre o mesmo drama.

Como estava no hortifruti, pensei numa alternativa econômica mas de impacto: canapés de pepino com camarão! Eu sempre quis fazer essa receita e ela é bem econômica: 3 pepinos tipo japonês, 1 bandeja de camarãozinho sem casca e 1 potinho de requeijão de gorgonzola.

Como fazer? Raspe as laterais do pepino usando um descascador e corte em rodelas de 8mm de espessura (aproximadamente, claro). Cubra com 1 colher (de chá) do requeijão e 1 camarãozinho salteado no azeite com sal e pimenta. A decoração com semente de romã ficou por conta do Phelipe Diaferia, estudante de gastronomia contratado para ajudar na 'bagunça' lá em casa. Deu certo!

Escrito por Marcelo Katsuki às 08h34

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Paris 24 Horas

Paris 24 Horas

Estive nessa semana no Paris 6 (misto de café, restaurante e pâtisserie) para conhecer o novo cardápio (de outono) e provar as criações do chef Yann Corderon, que está assumindo a função de chef executivo da casa.



O restaurante ainda nem completou um ano mas já está investindo em alterações significativas, tanto no cardápio como no atendimento aos clientes, que lotam os salões da casa. Só a decoração não muda - e nem precisa: a ambientação é impecável nos detalhes com iluminação intimista e uma trilha sonora que faz você se esquecer de que está no burburinho dos Jardins. É um verdadeiro pedacinho de Saint-Germain-des-Prés!



Além da novidade do cardápio 'sazonal', todo o menu agora é servido durante as 24 horas de funcionamento da casa. Foi introduzido também o Cassoulet, além de um bar de ostras, no melhor estilo dos cafés da rive gauche. Em minha visita provei alguns canapés de tartare (atum e salmão), bem suaves. Em seguida, um Escalope de foie gras com creme de lentilhas e redução de balsâmico que revelou-se muito saboroso e uma ótima combinação.




O Steak de thon grillé (atum mal passado com legumes) da seqüência era bastante sutil, mas os legumes grelhados com canela, flor de sal e redução de beterraba davam um rico aroma ao prato.



Provei também o Steak d’autruche light (filet de avestruz com legumes), uma opção light de fato muito magra (lembra uma vitela mas de sabor um pouco adocidado). Já o Medaillon de filet aux escargots (medalhões de filet com molho com escargots e arroz com ervas) que fechou a degustação tinha aromas mais intensos e a combinação da carne com o escargot seduziu meu estômago desconfiado. Ah, o serviço de sommelier é bem atencioso e há vinhos para harmonização com todos os pratos.



Fui pro café no corredor ao lado e enquanto meus amigos fumavam, me acabei nos 'macarrons' de chocolate, manga e cupuaçu. Além de provar um Tiramissú de café e uma sobremesa surpreendente: Rocher de chocolate praliné. Os preços no Paris 6 variam de R$ 17,00 (Quiche de Emmenthal com salada) até R$ 67,00 (Camarões gigantes à provençal com arroz e champignons). Mas uma boa opção é o "Paris Business", o almoço executivo da casa que inclui uma entrada e um prato principal a R$ 26,00 onde brilham standards da cozinha francesa como a deliciosa sopa Vichysoisse e o Poison à Belle Meunière com purê de batatas. E na hora do café, não se esqueça dos Macarrons, a R$2,50. Deliciosos.

Paris 6
Rua Haddock Lobo, 1.240 - Jardins - São Paulo/SP
Tel: (11) 3085-1595

Escrito por Marcelo Katsuki às 07h53

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Lugares | PermalinkPermalink #

CaricaturArte Buchanan's

CaricaturArte Buchanan's


[Aprecie com moderação. 'Jisuis!!!']


O whisky Buchanan's está com uma promoção divertida: até o final de abril, os clientes que degustarem o Buchanan's 12 anos recebem uma caricatura de presente. A promoção acontece nas noites de quinta a domingo e a lista de bares participantes* está no final do post.

Os caricaturistas são o Ivo Favero e o Kinho, que vão se revezar entre quatro bares por noite para 'retratar' os apreciadores do uísque. E quem entrar pro Clube do Whisky Buchanan's durante a promoção (comprando uma garrafa), pode ganhar até cinco caricaturas mais uma bandeja. Strike a pose!

*Bares de SP participantes: Advanced House (3078-9114); Astor (3815-1364); Azucar (3078-3130); Frangó (3932-4818); Ranieri Pipes (3062-5504 / 3083-0843); The Black Horse (4208-5038); Salve Jorge/Centro (3107-0123); Tom Jazz (3255-0084 / 3255-3635); Bourbon Street (50956115); Draker's (3812-4477); Piratininga (3032-9775); Wild Horse (5093-5698); São Pedro São Paulo (3079-4028); A Lanterna (3816-0904); Charles Edward (3078-5022); Dublin (3044-4194); Rey Castro (3044-4383); Ton Ton (5044-7239); Louisiania (5052-4576); Miller e Goddard (5535-5007); Bracia Parrilla (2295-0099).

Escrito por Marcelo Katsuki às 15h45

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Mixer | PermalinkPermalink #

Vale coxa creme



Eles têm um vale-refeição de R$9,00 e precisam sobreviver na selva dos bistrôs e restaurantes por quilo do Brooklin. Cachorro quente, marmita, bolachinha cortesia do café e até alimentar-se de luz: vale tudo quando a fome aperta. Dava um reality show? Acompanhe a saga dos estagiários da agência Espalhe clicando aqui! Criatividade, humor e uma certa 'falta de noção' no cardápio!

P.S.- No meu tempo de estagiário (em Moema) o "vale coxinha" só dava para uma coxinha mesmo! Exceto nos dias de feira livre, quando os auxiliares recolhiam os vales e voltavam carregados de pastéis (muitos de brinde). '9 conto' tá quase um luxo, gente! Você se virava?

Escrito por Marcelo Katsuki às 07h22

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

7 perguntas para José Carlos Iglésias


O médico e gastrônomo José Carlos Iglésias (do Grupo Rubaiyat) lançou no final do ano passado o livro "Sabor & Saber – Os Cinco Sentidos da Alimentação". O livro é o resultado de uma tese desenvolvida nos anos em que o médico viveu em Nova York onde fez pós-graduação. Carlos acredita que através de uma boa conscientização alimentar pode-se ver a alimentação como uma forma de prevenção de doenças. Fala também sobre distúrbios alimentares como obesidade e desnutrição e trata de conceitos como fast food e slow food.

C&B.1 - O brasileiro se alimenta mal? Como o senhor vê o padrão alimentar no país?
JCI: O brasileiro de poder aquisitivo médio ou alto se alimenta bem. O problema encontra-se em dados estatísticos pobres em relação aos indivíduos de classe baixa. Sabemos que os americanos consomem o dobro de carnes de frango que os brasileiros. No entanto sabemos que carne de frango consumida per capita em nosso país atinge parcialmente os segmentos da população. Obviamente os que se situam na parte pobre do Brasil se alimentam mal (carência de proteínas de fontes animais). As proteínas incompletas ou de origem vegetal doadas aos brasileiros que comem somente farinha de cereais, feijão e arroz não são suficientes para o combate à desnutrição infantil.

C&B.2 - Seria contraditório pensar em fast food saudável ou as grandes cadeias podem se adequar a esse novo padrão de exigência?
JCI: Não é contraditório pensar em Fast Food Saudável. Pensar em Fast Food é pensar em alimentação em grande escala. O Restaurante Popular de R$1,00 é um exemplo clássico de boa alimentação em massa. Paulatinamente, as cadeias americanas e européias lançam novas marcas de fast food saudáveis (Fast Good: Ferrán Adria). Além disso, o padrão de exigência de saúde alimentar está baseado em princípios elevados de segurança alimentar. Futuramente as grandes cadeias americanas passarão à fornecer os dados nutricionais estampados em seus produtos e com isso, juntamente através de educação alimentar, facilitará as escolhas para um menu mais qualificado e balanceado. A educação nutricional específica acabará por selecionar os meios éticos de produção e venda alimentar tanto no atacado quanto no varejo 

C&B.3 - Haveria alguma regra básica (ou dica) para quem precisa alimentar-se fora diariamente?
JCI: Sim, em primeiro lugar escolher estabelecimentos que primam por alimentos frescos; e em segundo lugar manter uma dieta balanceada em nutrientes de acordo com os preceitos da pirâmide alimentar.

C&B.4 - O vinho é de fato favorável para uma dieta alimentar saudável?
JCI: Sim, os cardiologistas contemporâneos aconselham tomar um copo de vinho tinto durante as duas refeições principais; pelo mesmo conter os antioxidantes polifenóis presentes na casca da uva.

C&B.5 - Em seu livro, o senhor mostra-se totalmente favorável à dieta do Mediterrâneo. Acredita que ela poderia ser adotada diariamente no Brasil ou deveria ser balanceada com outras dietas?
JCI: Sim sou favorável pela mesma conter quantidades elevadas de fibras e vitaminas presentes nos vegetais e cereais. Além disso, através dos peixes obtemos os aminoácidos essenciais associados à gorduras saudáveis (Ômega 3, 6 e 9). O mercado europeu vende animais de corte em fase de abate precoce (Vitela, Cordeiro e Porco) e isso favorece maior ingestão de proteínas e menor ingestão de gorduras saturadas presentes em animais de abate tardio. O Brasil precisa adotar o hábito de comer carnes jovens. Esse mercado é, todavia restrito aos ricos. Custa mais produzir um animal jovem e sadio do que comer um animal maduro em fase tardia de abate. Ainda nossa cultura não se compara aos hábitos alimentares antigos dos europeus.

C&B.6 - Como o senhor aplica seus conhecimentos adquiridos nesses anos de pesquisa médica nos restaurantes do Grupo Rubaiyat?
JCI: Meus conhecimentos estão na área de gastronomia. Por uma questão de desenvolvimento educacional, todos os que estudam gastronomia ou que se intitulam grandes Chefs e Restaurateurs deveriam adotar em seus currículos ou vida cotidiana empresarial, conhecimentos básicos na área de Nutrição e Segurança Alimentar. O conhecimento primário em matérias pertencentes à Medicina e à Gastronomia podem muito contribuir para o desenvolvimento do grupo Rubaiyat na área de produção alimentar e formação educacional de excelência. É o que o Brasil precisa.

C&B.7 - O Grupo Rubaiyat tem alguma filosofia em relação à alimentação saudável, como utilização de produtos orgânicos ou carne ecológica (boi verde)?
JCI:
Não gosto de falar exclusivamente pelo grupo Rubaiyat. Até o momento, em nosso país ninguém falou verdadeiramente sobre a Cozinha Saudável. É tudo blá-blá-blá de Chefinho vendedor de receitas que acabam confundindo a cabeça das donas de casa. Fiz muita pesquisa e conheço a Cozinha Saudável Americana. Tudo o que posso afirmar em dois meses de Brasil é que têm muito marketing fictício do Boi Verde. Mostra o produto e aí acreditarei no Boi Ecológico! Em relação aos vegetais orgânicos sou defensor dos mesmos por formações e convicção profissional; são mais saborosos e higiênicos.

Escrito por Marcelo Katsuki às 10h11

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Aprenda a fazer um Ovo de Páscoa recheado!

A Pricila Cristian é estudante de gastronomia da Unip e enviou uma receita para quem quiser se aventurar na cozinha. Já se você gosta de chocolate e coco mas não é lá muito prendado(a), liga pra ela e encomenda. A receita é muito boa!



Ovo Pavê de Coco

Ingredientes para o ovo:
- 600 gramas de chocolate ao leite.

Ingredientes para o recheio:
- 200 ml de leite de coco.
- 100 gramas de creme de leite sem soro.
- 100 gramas de coco ralado.
- 8 colheres (sopa) de mel.
- 100 gramas de biscoito tipo champanhe

Modo de preparo (ovo):
Derreta o chocolate em banho maria e passe a primeira camada de chocolate na forma com um pincel, leve para geladeira coberto com papel alumínio durante 5 minutos com a forma virada para cima. Retire, passe a segunda camada também com a forma virada para cima e leve para geladeira. Somente na terceira camada de chocolate a forma deve ser virada para baixo para que forme a borda do ovo. Deixe de 10 a 15 minutos, retire e reserve.

Modo de preparo (recheio):
Junte todos os ingredientes, mexa durante 10 minutos em fogo baixo e deixe esfriar. Recheie o ovo com uma camada de recheio, uma de biscoito tipo champanhe, mais uma de recheio e finalize com chocolate. Leve para geladeira durante 20 minutos e depois é só decorar com papel colorido, celofane e fitas.

Ah, o telefone da Pricila é (11) 7182-0485 e 3275-2988.

Escrito por Marcelo Katsuki às 09h43

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Um vinho para sushi

Um vinho para sushi



No sábado ganhei da Janaina uma garrafa do Sushi Vin, primeiro vinho produzido no Brasil especialmente para sushis. Não conhecia e como o Jeff estava em casa preparando uns makis e gunkas, fui logo abrindo.

O aroma é delicioso, predominando o perfume da uva Moscato, meio floral, um pouco de mel... mas na boca, as outras uvas (Chardonnay e Malvasia Bianca) se destacam, e o vinho mostra-se bem seco, mas leve e persistente. Eu gostei, mas preciso repetir a dose com mais calma. Como já havia tomado uns uísques, com certeza perdi muito da harmonização (entre outras coisas, hehe).

Já a Roberta me levou de presente o Vinho do Lobisomen. Coisa do demo? Se fosse na semana passada eu abriria imediatamente para saudar o eclipse. Mas resolvi aguardar a próxima lua cheia pra abrir a 'fogosa'. Das trevas!!!


["Aaauuuuuuhhhhhh!!!" Vai pro sagu ou não vai?]

Escrito por Marcelo Katsuki às 10h24

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Bebes | PermalinkPermalink #

Caipirinha & Feijoada

Eita, calorão!!! O finde promete, hein? Duas sugestões rápidas (e que combinam muito bem) para o sabadão: caipirinha e feijoada. Depois é só 'jiboiar' na rede...



O Obá Restaurante (Rua Melo Alves, 205, Jardins - tel: 11-3086-4774) oferece várias caipiras de frutas como melancia e gengibre ou ainda mexerica e limão cravo (R$ 11,20 com destilado nacional ou por R$ 14,60 com vodka importada). Mas minha sugestão são as 'caipiras' dos outros três países que protagonizam seu cardápio. Da Itália, o delicioso Bellini, do México, a refrescante margarita e da Tailândia o insuperável Mai Thai. Eu digo isso porque sempre que vou lá gasto mais com os Mai Thais que com a comida. Deve ser o calor!!!



Já a Mamarana Cucina Italiana (Rua Pará, 196, Higienópolis - tel: 11-3661-8799) dentro do projeto "Cozinha sem Fronteiras" estará homenageando o Brasil e oferecendo nos almoços de sábado do mês de março uma deliciosa feijoada preparada com carnes suínas nobres! A feijoada será servida no prato com uma bisteca, banana à milanesa, couve refogada, laranja, farofa e arroz. O preço é de R$ 31,00 e inclui uma caipirinha de limão!

Escrito por Marcelo Katsuki às 09h32

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Dieta de engorda


Na contramão da onda de anorexia que invade a mídia, acabei encontrando um restaurante na Liberdade que serve uma refeição digna de um peso-pesado! Leia a minha coluna de hoje sobre "gastronomia oriental" no Guia da Semana clicando aqui e descubra como ficar gordinho (como eu)!

Escrito por Marcelo Katsuki às 07h44

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Para o santo!


Essa os amantes da Guinness não vão perder! De amanhã a 18 de março, 34 pubs e bares espalhados pelo Brasil estarão em festa pelo dia de St. Patrick, comemorado no dia 17. Em S.Paulo, o All Black, a Casa Belfiore e o O'Malleys (entre outras - veja o mapa dos bares clicando aqui) participam da festa promovida pela cervejaria irlandesa.



Além de decoradas com o tema, as casas participantes oferecerão brindes para os clientes (camiseta ou chapéu original da Irlanda) de acordo com os pints consumidos. E a Guinness aproveita para lançar o formato longneck, que promete a mesma cremosidade na espuma graças a um reservatório de nitrogênio dentro da garrafa chamado widget. Loucura! Vou testar e depois conto como funciona, hehe.

E para quem quiser provar o sabor típico da Irlanda, segue uma receitinha de lingüiça à moda Guinness.

Lingüiças à Guinness

- 1 quilo de lingüiça de pernil
- 1 cebola em fatias finas
- 2 colheres de sopa de margarina ou manteiga
- 1 folha de louro
- 140ml de GUINNESS
- 140ml de caldo de carne
- 1 colher de chá de farinha de trigo
- Sal e pimenta a gosto

Cozinhe as lingüiças em água por 15 min e corte em rodelas. Aqueça a manteiga, acrescente a farinha e em seguida doure a cebola e as lingüiças. Junte a GUINNESS com o caldo de carne, o sal, a pimenta e o louro, tampe a panela e cozinhe até engrossar o caldo. Retire o louro e deixe em fogo baixo por mais 3 minutos. Sirva com purê de batatas. Hmmm...

Escrito por Marcelo Katsuki às 11h10

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Agenda - Dia da Mulher



Cachaça para comemorar o Dia da Mulher! É o que propõe a Universidade da Cachaça (Rua Iaiá, 83 - Itaim Bibi - Tel: 11-3167-0461), que preparou um cardápio com caipirinhas e coquetéis inspirados nas homenageadas do mês. A casa possui mais de 400 tipos de cachaças e oferece também petiscos e pratos. Nas bebidas, destaque para o “Coquetel da Universidade” (a receita tá abaixo!) e a “Caipirinha de Frutas Vermelhas com Peachtree”.

Coquetel da Universidade
- Uma dose de cachaça
- 20 ml de suco de limão
- 20 ml de cointreau
- 10 ml de groselha
- 10 ml licor de cassis

Preparo: bata tudo em uma coqueteleira com gelo e sirva em uma taça. Um brinde às mulheres!





No dia 8 de março, a rede de restaurantes La Pasta Gialla (Rua Pedroso Alvarenga, 528 - Itaim Bibi - Tel: 11-3079-3557 e mais 9 endereços) presenteia suas clientes, no jantar, com uma degustação de quatro mini sobremesas do cardápio escolhidas pelos ingredientes que fazem parte do universo feminino com a qualidade culinária de Sérgio Arno. A ação acontece nos restaurantes de São Paulo e de Campinas.





A Beale (R. Rego Freitas, 52 - Vila Buarque - tel.11-3337-0899) realizará degustações de vinhos durante todo o dia da Mulher (8/3) e fechará com uma palestra e coquetel a partir das 19h30. Nessa mesma data a casa lançará a Confraria das Mulheres do Vinho. Informações pelo telefone acima.






A D'Múcios (Av. Juriti, 651, Moema - Tel: 11- 5052-8333), bonita casa de Moema especializada em sanduíches elaborados com churrasco, vai oferecer um pack com mini trufas de chocolate a todas as mulheres que celebrarem a data na sanduicheria. O cardápio elaborado pela chef Ana Soares traz também opções com saladas e omeletes para quem não come carne.





No dia 8 de março, Cristophe Besse do restaurante All Seasons (Al. Santos, 85 - Paraíso - Tel: 11-3177-0436) comemora o Dia Internacional da Mulher com desconto de 50% para mulheres acompanhadas nos pratos que fazem parte do Festival de Fondue de Verão. Fondue de Tomate Valaisanne a R$ 42 e Fondue de Tomate Royal com frutos do mar, peixes e granité, a R$ 52, são algumas das opções. Os preços citados representam o valor integral, sem o desconto.

Escrito por Marcelo Katsuki às 07h57

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Provador de ovos



Achei uma desculpa ótima para poder abrir (e comer) os ovos de chocolate que ganho antes da Páscoa: preciso degustá-los para poder comentar! Kkkkk! Minha mãe não ia achar a menor graça nessa 'treta', mas minha consciência tá fazendo vista grossa, hehe.

Minha primeira 'prova' foi com o Ovo de Chocolate com Laranja da Oficina do Cacau. Eu adoro essa combinação e o ovo não decepcionou: não é muito doce (seus produtos têm redução de açúcar) e os pedacinhos da laranja dispensam aromas artificiais. Os produtos da 'Oficina' também não utilizam gordura trans e valorizam a pureza dos ingredientes. Tem ainda versões com menta e trufas, e estão à venda na Wal-Mart por preços que variam de R$11,00 a R$15,00 o ovo de 250 gramas. O preço é ótimo para um chocolate com essa qualidade. Preciso voltar lá, pois esqueci de comprar uns espumantes que vi em promoção. Acho que me empolguei com a Páscoa...

Escrito por Marcelo Katsuki às 11h48

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Rodízio pode ser bacana?



Uma coisa que me desagrada nos rodízios é aquele assédio interminável dos garçons e o fato de que nunca chega aquilo que você deseja comer. Lei de Murphy? Sem falar no 'estrago na balança' que é sempre grande, afinal, o apelo para comer além da conta nesses lugares é enorme e é preciso uma boa dose de força de vontade para não cair em tentação.



Pois nesse finde fui jantar na Jardineira Grill, um rodízio de carnes mas com uma série de diferenciais. A começar pelas entradinhas, com castanhas, patolas de caranguejo e outros salgadinhos fritos na hora, que logo seriam acrescidos de pãezinhos de queijo quentinhos, camarões com ervas, palitinhos de polenta frita e saladinhas.



Aliás, fui lá para conhecer as saladas de mini-rúcula e mini-agrião, ambas hidropônicas e com um sabor bem mais suave que suas versões originais. Menos ardidas, mais macias e muito saborosas, acompanharam super bem as carnes e me aliviaram um pouco da culpa pelos excessos. Mas comi pouca carne: apenas um carré de cordeiro com um molho natural de hortelã delicioso (mais até que a geléia de menta) e uma picanha nobre sensacional, macia e suculenta, não deu para resistir.

É que acabei me divertindo mesmo no bufê, rico em saladas, queijos e frutos do mar (tem até caviar, o que justifica o custo de R$ 65,00). O creme de siri, o gravlax e o surubim defumado estavam ótimos e foram muito bem acompanhados por uma taça de vinho.



A carta de bebidas também merece atenção. Os drinques e as bebidas importadas têm ótimo preço ao contrário da maioria dos rodízios (onde você tomaria uma dose de vodca Absolut por R$ 6,30?). A carta de vinhos, além de extensa, também traz boas opções a custos atraentes. E se você optar por vinho em taça, o mesmo é servido num simpático decanter individual. Pequenos detalhes que fazem muita diferença.



O atendimento também é bem cuidadoso e se preocupa em oferecer itens de sua preferência. E se você quiser comer sem ser assediado pelo balé dos garçons pelo salão, basta virar o botão vermelho sobre a mesa. E desfrutar de uma noite agradável com ótima comida e bebida num ambiente aconchegante.



Jardineira Grill
Av. dos Bandeirantes, 1001 - Vila Olímpia/São Paulo
Tel: 11-3845-0299 / 3848-0381

Escrito por Marcelo Katsuki às 09h03

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Tem sushi na pista!!!

Tem sushi na pista!!!



Mais uma dica para sua festa! O sushiman Jeff Kimura (Tel: 11-7291 6166) faz delivery de sushis e sashimis mas também pode ir até a sua casa para preparar os 'combinados'. Se for para uma festinha animada então, a dica é pedir para ele levar algum set com músicas! Seja o clima lounge ou eletrônico, o iPod do Jeff nunca decepciona, afinal ele é DJ nas horas vagas e tá sempre comandando o som (com a amiga Ucha), ali pelo Gourmet ou em festas de amigos. Um verdadeiro Electro Sushi Delivery!


[Sushi Sound Machine!]

Escrito por Marcelo Katsuki às 16h26

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Mixer | PermalinkPermalink #

E vai rolar a festa!



Ontem fui à festa do meu amigo Johnny que é publicitário e adora inventar uma modinha. Sabe o que ele fez? Contratou uma pastelaria de nome ótimo (Taba!) e tacou fritura no povo. Eu me acabei, comi quatro. Na verdade, dariam dois pois eu comi só o recheio e parte da fritura. Como isso tá parecendo desculpa de gordo, melhor parar por aqui, né?

A Taba Pastelaria fornece pastéis para várias barracas de feira, e chega até Santos! Você escolhe os sabores e a conta sai no final, de acordo com o consumo dos seus convidados. Ontem foi um estrago, o povo se jogou no pastel ainda mais com a providencial cerveja gelada para espantar o calor. Meu favorito de ontem? O de pizza, porque não tinha de palmito e eu adoro orégano. Mas como gosto de atrapalhar fiquei lá pedindo pro meu xará Marcelo diminuir o fogo, fritar assim, assado, mais clarinho e tal... Em busca do pastel perfeito? Eu tava era 'causando' na festa alheia, kkkkk, que pessoa mais descolocada! Ah, antes que eu me esqueça, o telefone da Taba: 11-3955-4790.

Escrito por Marcelo Katsuki às 15h17

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

B&G*: o bacalhau do Ita



Demorei, mas finalmente fui conhecer o "Bacalhau à Portuguesa" do Bar e Restaurante Ita (R. do Boticário, 31 - Lgo. do Paissandu - Tel: 11- 3223-3845), indicação do Gilberto e da Helika. O lugar é meio 'sinistro': a fachada não tem mais placa (tiveram de arrancar por conta da nova legislação), está toda pichada e não há mesas, apenas um balcão em "W". A decoração parece ser a mesma desde o dia de sua abertura. Há samambaias penduradas no teto, cardápios escritos com giz e as contas são rabiscadas no balcão de mármore branco com um lápis, o que até dá um toque divertido. A freqüência é predominantemente masculina e os PFs dominam a 'cena'.

Por que ir? Os donos, Luiz e João, atendem nos balcões com extrema simpatia. Os sucos são naturais e gigantescos. E sexta, bem, sexta-feira no Ita é dia de bacalhau, e você pode comê-lo 'sequinho', com legumes, ovos e azeite por R$ 13,00. A porção é generosa e eu mal consegui comer a minha. Há ainda a versão 'ao forno' (pelo mesmo preço) com molho de tomate, o que deixa o peixe mais úmido e macio. 'Seu' Luiz logo traz um molho de azeite com alho, que complementa o prato e garante a proteção contra vampiros pelo resto do dia.

A fama do Ita é de oferecer o bacalhau mais bem servido e honesto do centrão. Alguém duvida? Vai lá comprovar!

Bar e Restaurante Ita
R. do Boticário, 31 - Lgo. do Paissandu
Tel: 11- 3223-3845
*Barato & Gostoso!

Escrito por Marcelo Katsuki às 09h49

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A versatilidade do pão sírio

A versatilidade do pão sírio



Desde que me mudei para o Paraíso, praticamente troquei o pão francês pelo sírio. Além de mais leve e sem miolo, o pão sírio possui baixo teor de gorduras. E com tantas lojinhas de produtos árabes, ficou fácil encontrar o produto sempre fresquinho e macio. Mesmo quando fica velho, faço torradas para comer com Babaganush (a pasta de berinjela) ou quebro sobre a salada, como num Fatouch, cheio de limão. Hmmm!!!

Mas no finde, quando quero fazer um belisquete, nada como pizzas de frigideira feitas com pão sírio! Se o pão está meio seco, eu borrifo água para dar uma reidratada e cubro com o que tiver na geladeira. Vale desde o tradicional queijo com tomate e manjericão (finalizado com um bom azeite), rúcula picadinha com brie, pêra fatiada com gorgonzola e mel e por aí vai.



Além de leve e saborosa, vai super bem como aperitivo pois as fatias ficam no tamanho ideal para servir como finger food. Daí só fica faltando o 'refresco'!

Escrito por Marcelo Katsuki às 08h07

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Comes | PermalinkPermalink #

Agenda

Agenda



A Fundação Japão propõe uma viagem fascinante pela história da imigração japonesa sob o ponto de vista da alimentação, na palestra de Koichi Mori, antropólogo e professor da USP. A palestra “A História da Imigração Japonesa através da Culinária” acontece no dia 06 de março, às 19h30 (com uma edição extra no dia 14, no mesmo horário), no Espaço Cultural da Fundação Japão (Av. Paulista, 37 – 1º andar - Inscrições pelo e-mail: info@fjsp.org.br)






A empresária Chieko Aoki criou um projeto para mostrar a cozinha da própria casa e sua forma de receber. Trouxe o evento A Cozinha de minha Casa com a ajuda da amiga Mari Hirata, que acontece até o dia 23 de março, no restaurante Noah (Brigadeiro Faria Lima nº 3.989 - V. Olímpia - tel: 11-3896-7544 / 7560). No menu há opções como Tartar Asiático de Salmão com salada (R$ 27,00), Camarão crocante com Cogumelos grelhados (R$ 45,00 - foto) e Frutas frescas com Kantem (perfumada gelatina de algas com amêndoas - R$ 9,00). Para finalizar, Chá Verde com Kinako Cookies (amanteigados biscoitos de soja).






O Clo Restaurante reformulou seu cardápio e está com ótimas surpresas como o Gazpacho andaluz (R$ 19) e os deliciosos Crab Cakes (R$ 24). Há ainda o risoto de beterraba com ervas, parmesão e Grand Marnier (R$ 39 - foto) e a Tagine de Frango (com limão em conserva - R$ 38). Para a sobremesa, nada mais reconfortante que o Crumble de maçã (R$ 16).






Nos jantares dos dias 12, 13 e 14 de março no restaurante Cantaloup (Rua Manoel Guedes, 474 - Itaim - Tel: 11-3078-3445), o chef Renato Carioni apresenta o festival Cozinha dos Mil Sabores, com criações inspiradas em ingredientes e temperos nordestinos. Pratos como o Bolinho de caranguejo com purê de mandioca e dendê picante (R$ 32), Risotto de paleta de cabrito com castanhas portuguesas (R$ 44) e Flan de tapioca com calda de graviola e sorvete de coco (R$ 18) fazem parte do criativo cardápio.




O restaurante Camauê, do Hotel Holiday Inn Parque Anhembi (R. Prof. Milton Rodrigues, 100, Tel: 11-2107-8844) promove o Festival Indiano entre os dias 6 e 11 de março, apenas no jantar. Preparado por Ananda Solomon, chef corporativo do Taj Hotels da Índia, o banquete indiano custará R$ 45 por pessoa, bebidas e estacionamento não inclusos.

Escrito por Marcelo Katsuki às 09h05

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Evento | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Marcelo Katsuki Marcelo Katsuki é editor de arte de Mídias Digitais da Folha, colaborador da revista sãopaulo e colunista da "Prazeres da Mesa".

BUSCA NO BLOG


TWITTER

    Twitter RSS

    ARQUIVO


    Ver mensagens anteriores
     

    Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
    em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.