Marcelo Katsuki

Comes & Bebes

 

Chico e Alaíde

Oi Alaíde! Adorei conhecer o seu novo cantinho. Caminhando pelo Leblon, passei pelo Braca, ainda fechado, e bateu uma nostalgia. Daí acelerei o passo e alcancei o C&A (Chico & Alaide, desculpe a brincadeira) para um choppinho.

Mal passava das 10 da manhã, mas o Chico já estava lá agitando o balcão. Embora o atendente dissesse que ainda não estava aberto, o Chico tascou: "Pede o que quiser que a gente frita". Lembrei que no outro bar, enquanto você não chegasse, não tinha bolinho. Me empolguei e pedi todos os que consegui ler na matéria da parede. Um de cada.

Adorei essa novidade de 'colar' torresmo, camarão, tudo por fora. Você sempre inventando! O bolinho de Tutu (R$ 3,20) é uma beleza, sabor forte e o torresminho matador. O de feijão fradinho recheado com vatapá (R$ 3,20) é super original, mas tava um pouco salgado demais. Se aprume, mulher! Já a Maravilhosa de camarão (R$ 3,80), é tudo o que o nome já diz: ma-ga-vi-lho-sa. Acho que vai dar até samba!

Mas vou te contar: o bolinho de polenta com recheio de carne moída (R$ 2,70) é uma das coisas mais gostosas que já comi! Com aquela pimentinha esperta, então! Mas eu não podia ir embora sem matar as saudades do lendário Bolinho da Alaíde, com camarão e catupiry, né?

Eu já estava me levantando para pagar a conta, quando o Chico apareceu com um prato, meio que empolgado com a minha gula (será que ele se lembra que marcava minhas contas antigamente como "japonês de São Paulo"?)

Na mão, um bolinho sequinho com fios de carne seca tostados: "Esse é o campeão de pedidos da casa. Bolinho de abóbora com carne seca." Confesso que não aguentava mais nem um biscoito 'Grobo', mas dava para resistir? Uma mordiscada e o bolinho tinha sumido da minha mão. Maravilha, Alaíde!

Caminhei até o caixa meio tonto com os chopes matinais e pedi a nota, para poder lembrar os nomes - e preços de tudo. O de abóbora o Chico não quis cobrar, tá querendo conquistar ainda mais freguesia, hehe. Bom, amanhã eu volto para São Paulo, já saudoso disso tudo aqui. Beijos!

Chico & Alaíde
Rua Dias Ferreira, 679 (esq. com Bartolomeu Mitre)
Tel.: 0/xx/21/2512-0028 - Leblon - Rio de Janeiro

Escrito por Marcelo Katsuki às 14h01

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Le Pré Catelan

O chef Roland Villard, do Le Pré Catelan (Sofitel Rio) adora criar trilogias. Faz parte de sua técnica de estudar produtos e desenvolver pratos com resultados distintos. É sempre interessante conhecer os menus do chef, que tem uma das carreiras mais consistentes do país.

Sábado jantei lá com um grupo de amigos. E pudemos provar as delícias do novo cardápio de trilogias (R$ 75 cada). E fechar a noite com uma deliciosa seleção de sorbets de frutas brasileiras, como cupuaçu, açaí e taperebá. E com as sobremesas do chef Dominique Guerin, claro.

Amuse bouche: Tartare de salmão com chantilly cítrico e creme de cogumelos. Dava até para misturar um com o outro, deliciosos.

Primeira trilogia: ravióli de lagosta com uma bisque perfeita, camarão crocante sobre pupunha e tartare de lagostim com manga. Difícil saber qual o mais gostoso.

Hora da Trilogia de Escargots: sobre torrada crocante de azeite, com massa folhada e na concha.

Um refrescante granité de laranja!

Para abrir a Trilogia de foie gras: escalope de foie sobre tapioquinha de goiaba. Surpreendeu! Crème brülée bem aerado, leve. E um picolé de foie com crosta de avelã.

Mais uma trilogia? Agora de cordeiro: picante com azeitonas, uma tigelinha que lembrava um escondidinho (não lembro o nome agora) e um suculento carré.

Suflê de chocolate super leve, com chocolate intenso cremoso. E sorvetes de leite com favas de baunilha e frutas vermelhas.

Um mil folhas com massa folhada crocante

E os incríveis sorbets de frutas brasileiras. Arrebatador!

Le Pré Catelan
Avenida Atlântica, 4240 - nível E - Hotel Sofitel
Tel. 0/xx/21/2525-1160 - Copacabana - Rio de Janeiro

Escrito por Marcelo Katsuki às 13h12

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Olha a rã aí, gente!

Quando cruzei com o chef Wagner Resende no Mocotó e ele me falou: "Você precisa voltar ao restaurante para provar o menu de rãs", pensei: preciso mesmo. Mas rãs? A bichinha me dá uma certa aflição. Parece o Falcon sem roupa, gente, um mini-humano. Mas em tempos de 'tira o pé do chão', comer rã pode ser providencial. Assim como evitar galinha no Ano Novo. E em se tratando do Wagner que nunca me decepcionou - muito pelo contrário - resolvi aceitar o convite.

Chegando ao Le Marais, fiz um tour pela cozinha. Vi o setor de armazenamento e de preparação dos alimentos, mas fiquei tentado mesmo foi em passar a mão nos pães quentinhos, saídos do forno. Mas me contive, como sempre (preciso resolver isso na terapia).

Voltei para a mesa, que dividi com um amigo do colégio que não via há tempos (e que devo ficar outro tempão sem ver, pois meu celular tocou tanto que ele ameaçou quebrar o aparelho). O pãozinho já estava lá. Com manteiga clarificada, queijo de cabra cremoso e uma pasta de azeitonas deliciosa. Wagner me perguntou: "Alguma restrição?" Nenhuma, claro.

Quando chegou o primeiro prato, surpresa: Terrine de foie gras com figo fresco e compota. Gelei. Pensei que só voltaria a comer terrine quando me esquecesse da intoxicação na Espanha. Mas fui fuerte: respirei fundo e quando vi, o prato já estava vazio. E se da outra vez eu havia achado o foie meio sem gosto, dessa vez ele estava perfeito, ainda mais harmonizado com um Royal Tokaji 5 Puttonyos. Loucura boa.

O prato seguinte era uma Salada de camarão com ervilhas tortas tenras e fios de alho poró crocantes, feito batata palha. Fernando, que me acompanhava, arregalou os olhos antes de confessar que era alérgico, ai, ai. Deus me defenda matar o amigo ali com um edema de glote, mas foi com pesar que vi o pratinho ir embora. "Volta..."

Enfim chegava a hora da rã! Rãs à provençal, uma maravilha: suculentas, com aquele gostinho de alho mas equilibrado. E o arroz salteado no molho? Poderia comê-lo puro. Foi aí que me arrependi de ter pedido ao chef apenas um prato com rã. Deu vontade de provar o Ravioli e o Mil-folhas, e talvez, até a terrine de foie com rã.

Mas o prato seguinte foi a famosa Ponta de alcatra assada, acompanhada de polenta com trufas e molho de vinho. Carne bem selada com miolo vermelho e úmido, pouco sal mas muito bem emoldurada pelo molho potente que resistiu ao perfume da polenta. Nem pensei que conseguiria comer tudo, mas comida boa é assim.

Hora da sobremesa, e eu caçando mais algum prato no cardápio para espanto do Fernando: "Você tá louco?" Melhor não exagerar, ainda tinha uma jornada na redação. Pedimos a Degustação de sobremesas, com o pequeno Crème brüllée mas de sabor pronunciado, o melhor. Ainda um petit gateau de chocolate com sorvete de creme, um mil-folhas muito gostoso e quebradiço (fresquíssimo) e um chessecake com frutas vermelhas.

Quando a aventura parecia terminada, ainda chegam à mesa petit-fours como 'macarons', caneles e chocolates deliciosos, para acompanhar o café. Despedi-me do chef enquanto via o salão sendo tomado pelos comensais tardios. E voltei saltitante para a redação, efeito da 'rã ziriguidum' que vai me levar hoje à noite para o sambódromo. Tira o pé do chão aê!!!

Wagner Rezende: o chef é a garantia!

Le Marais
R. Jerônimo da Veiga, 30 - Jardim Europa - Oeste. Telefone: 3071-2873.

MAPINHA AQUI

Escrito por Marcelo Katsuki às 19h53

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bento Box

Almoço rápido hoje no Tanuki (R. Jericó, 287 - Vila Madalena - Oeste. Telefone: 0/xx/11/3814-3760). Rápido mesmo, o prato chegou antes de eu terminar o primeiro gole, gostei.

No bento box ('malmita' japonesa): arroz com umeboshi, conserva, frango com cebolinha, croquete de carne, crocante tempurá de hoorensu (tipo de espinafre japa) e missoshiro. De entradinha, bardana com gergelim e salada com molho de missô e alho. E minissalada de frutas. Tudo por R$ 20,50. Ótimo para botar a cabecinha no devido lugar depois da terapia, hehe.

MAPINHA AQUI

Escrito por Marcelo Katsuki às 14h04

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Três é demais?

Não para o incansável Benny Novak. Depois do sucesso do francês ICI Bistrô e do italiano Tappo Trattoria, o chef agora aposta suas fichas em um diner americano, com muitos burges e crab cakes, num ambiente despojado e de bom gosto ali em Higienópolis (ao lado do Mamarana).

Fui pra lá quase arrastado pela Beta, que queria me contar as novidades da viagem e me dar uma galocha Marc Jacobs! Item indispensável nos dias de hoje com essa chuva, certo? Apesar do cardápio bem diversificado, fui de hambúrguer clássico (R$ 16) com adicional de bacon crocante (R$ 3) e queijo emmenthal (R$ 3).

Benny comentou que fica impressionado com a quantidade de carne na grelha que o chapeiro tem que controlar e o meu sanduíche não decepcionou: bem seladinho, rosado por dentro, com a salada no prato (para montar na hora se quiser, assim não murcha).

A Beta foi de hot dog. Salsicha artesanal cozida e grelhada no pão macio. Uma delícia. O molho barbecue é feito na casa, assim como os tenros picles de pepino. Provei também as fritas e dei uma garfada na Apple Pie com sorvete do Tato.

O salão é aconchegante e há mesas com sofás-divisórias, bem ao estilo americano; a cozinha fica nos fundos, com a boqueta voltada para uma mesa comunitária, boa para reunir os amigos. Programão, ainda mais para quem curte um rock (no banheiro, o som é ainda mais alto, tendência). A trilha do 210 arrasa. Preciso voltar lá agora para provar popcorn shrimp, chicken wings, baby back ribs, Philly Steak Sandwich, matzeball...

Abriu! Quer dizer, abre oficialmente amanhã.

210 Diner
R. Pará, 210, Higienópolis - Tel.: 0/xx/11/3661-1219

MAPINHA AQUI

Escrito por Marcelo Katsuki às 11h21

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sanduba com Tubaína

Minha mania do café da manhã (além do cachorro quente) agora no meio da noite. Comi esse ontem no Tubaína (R. Haddock Lobo, 74 - Cerqueira César - Centro. Tel.: 0/xx/11/3129-4930) com a Talitha e o Ale, antes de descer pro Bar do Netão. 16 pratas, mas vem com filé mignon no pão quentinho, queijo e fritas sequinhas.

Para acompanhar, Tubaínas de várias marcas. Ainda tentei espantar o calor com um mojito, mas veio azedíssimo. Nada que uma breja não resolvesse.

Escrito por Marcelo Katsuki às 13h08

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Olha o Carnaval aí, gente!

Oi Rio! Nos dias 6 e 13 de fevereiro, o Caesar Park Rio de Janeiro (Av. Vieira Souto, 460 Ipanema - tels.: 0/xx/21/2525-2516 / 2519), traz a a escola de samba Viradouro para animar as feijoadas do hotel, com passistas, bateria, decoração e aquele climão de Carnaval. O chef Helbert Moura prepara a famosa feijoada, que acompanha onze tipos de carnes servidas separadamente.

ornamento

 

Já em São Paulo, o Carnaval no Obá Restaurante (Rua Dr. Melo Alves, 205, Jardins - tel.: 0/xx/11/3086-4774) acontece de 11 a 16 de fevereiro com pratos como Moqueca e Roupa Velha (foto). De sobremesa, a dica é a Panna Cotta ai frutti di bosco. A casa estará decorada com temas de carnaval e uma trilha especial tocará durante todo o feriado. O restaurante não funcionará apenas na Quarta-feira de Cinzas.

ornamento

 

O Bar da Dona Onça (Avenida Ipiranga, 200 lojas 27/29 - tel.: 0/xx/11/3257-2016) vai oferecer um prato típico do Pantanal: o Caldo de piranha. Considerado um tônico afrodisíaco, ele será servido de sexta (dia 12) à Quarta-feira de Cinzas (dia 16 de fevereiro). Seguuuura! O bar está localizado no Edifício Copan, no downtown.

ornamento

 

Na Mercearia do Conde (Rua Joaquim Antunes, 217, Jardim Paulistano - tel.: 0/xx/11/3081-7204), a festa vai da sexta-feira, 12 de fevereiro, à Quarta-feira de Cinzas, 17. A dica é a Caipirinha Tropicana (R$ 16,50, foto), com cachaça, lima, limão siciliano e gelo de garapa, uau! Para esquentar os tamborins, Ai que calor (R$ 18,50) um caldo de peixe picante tailandês com shimeji. E para garantir o dia seguinte, Suco cura ressaca feito com abacaxi, água de coco e limão sicilano e hortelã (R$ 7,80).

ornamento

 

Abaixo, três receitas de drinques criados pela troupie da Smirnoff Black para o Baile da Cidade que acontece nessa sexta no Unique. Se for pular em casa, liga um som, vira uns drinques e acredita!
 
Black Pierro
Adicionar o ½ kiwi, 1 gomo de limão tahiti e 5 uvas Itália em uma coqueteleira com açúcar ou adoçante.
Macerar todos os ingredientes, adicionar uma dose de vodka e depois completar a coqueteleira com bastante gelo.
Bater todos os ingredientes e verter em um copo longo
 
Black Colombina
Adicionar a 4 a 5 cubos de melancia e duas fatias de gengibre em uma coqueteleira com açúcar ou adoçante.
Macerar todos os ingredientes, adicionar uma dose de vodka e depois completar a coqueteleira com bastante gelo.
Bater todos os ingredientes e verter em um copo longo
 
Black Arlequim
Adicionar 8 estrelas de carambola e folhas de manjericão (a gosto) em uma coqueteleira com açúcar ou adoçante.
Macerar todos os ingredientes adicionar uma dose de vodka e depois completar a coqueteleira com bastante gelo.
Bater todos os ingredientes e verter em um copo longo.

Escrito por Marcelo Katsuki às 12h38

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Temaki de quiabo, temaki de sardinha

Muitas coisas me desagradam nessa estória de fusión, mas o que mais me incomoda mesmo é a cópia. Mal feita então, no comments! Já experimentos originais, ainda que exóticos e duvidosos, acho digno. Sério!

A primeira coisa que me atraiu quando li sobre o Daitake Sushi, do chef Gilber Ugadin, foi sobre um tal Temaki de quiabo. Ora, quiabos! A segunda era um Temaki de sardinha em conserva. Ok, os puristas podem se estrebuchar agora, mas o fato é que gostei. Do quiabo e da sardinha.

Mas o que curti mesmo no Daitakê foram as porções para petiscar, pequenas e gostosas. Como tapas, mas à moda japonesa.

Mini espetinho à milanesa (porção com 3 unid.: R$ 5,80). O item obrigatório no 'obentô' de todo japa que se preze.

Olha aí o quiabo! Temaki de Salmão Kichigai com cream cheese, amêndoas e quiabo crocante (R$ 9). Não gosto de cream cheese em sushi, por mim faria todinho de quiabo, mas para quem curte, é um prato cheio. Já o Temaki de Sardinha em conserva vem com cebola, tomate, salsinha e pasta de alcachofra (R$ 8,50) com um sabor muito refrescante. É diferente mas é gostoso.

Esse é um daqueles segredos de família: Bolinho da Mama (porção com 3 unid.: R$ 6), feito à base de carne batida, tomate, cebola e condimentos. Fica quase cremoso por dentro, dá vontade de comer um montão.

Porção de Tempurá de legumes (5 unid.: R$ 7,90). O tentsuyu (molho) pode melhorar um pouco mas a fritura é boa.

Duplas de sushis com preços variados. Esse de atum chamuscado com folha de shissô, gengibre, azeite trufado e raspas de peixe seco custou R$ 7. E nem reclame do azeite trufado, mal dá para se notar.

Bolinho de arroz frito (moti), crocante por fora e um chiclete por dentro, com calda de shoyu e açúcar (R$ 6,50). Há outras opções como Petit Gateau e Tempurá de sorvete, mas como resistir a esse prato com tantas lembranças da infância?

Daitakê
Alameda dos Aicás, 1220
Fone da loja e Delivery: 5533-1038

MAPINHA AQUI

Escrito por Marcelo Katsuki às 11h00

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Marcelo Katsuki Marcelo Katsuki é editor de arte de Mídias Digitais da Folha, colaborador da revista sãopaulo e colunista da "Prazeres da Mesa".

BUSCA NO BLOG


TWITTER

    Twitter RSS

    ARQUIVO


    Ver mensagens anteriores
     

    Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
    em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.